O presidente Jair Bolsonaro suspendeu o pagamento das parcelas do Profut durante a pandemia de Covid-19.

A lei, responsável por ajustar as finanças dos clubes nacionais, conta com o acerto das dívidas, que não será obrigatório o pagamento nos próximos meses. Em janeiro, a iniciativa havia sido vetada.

O valor que as equipes deixarão de pagar será acrescido ao saldo devedor final do financiamento e poderão ser cobrados juros.

No Profut, criado em 2015, associações desportivas parcelaram dívidas fiscais a juros baixos, mas com contrapartidas a se cumprir como não atrasar salários, investir em futebol feminino, entre outras.

Dos clubes de maior orçamento do Brasil somente o Palmeiras, por opção, não aderiu ao Profut.