No ano em que o Grêmio Esportivo Juventus completa o cinquentenário, a torcida do “Moleque Travesso” tem mais um bom motivo para comemorar. A obra “A primeira vez do Moleque”, de 250 páginas, traz momentos marcantes e inesquecíveis vivenciados por atletas e torcedores ao longo do ano de 1976, na estreia do clube no Campeonato Catarinense de Futebol. O desafio iniciou em fevereiro deste ano, com a pesquisa que incluiu as súmulas dos 26 jogos, fotografias, publicações impressas, e cerca de 15 entrevistas com ex-jogadores, como o goleiro Anivaldo Genésio Braz e o meio-campo José Moacir Garcia, o Moa, hoje funcionário do jornal O Correio do Povo. Para viabilizar os custos para a publicação de mil exemplares do livro, que giram em torno de R$ 15 mil, essa semana o autor, Henrique Porto, 39 anos, passou a captar recursos através de um sistema crowdfunding pelo site www.benfeitoria.com/aprimeiravezdomoleque. As 50 primeiras pessoas que aderirem ao projeto doam R$ 35 e têm direito a um exemplar, pago por meio de cartão ou boleto bancário. Depois o valor sobe para R$ 50 por unidade. Porto esclarece que o sistema oferece planos empresariais e individuais (pessoa física), em que cada cota corresponde a um benefício. “Tenho 40 dias para captar os R$ 15 mil com 300 pessoas. Estou buscando na força da torcida. Se não conseguir nesse período, o que foi doado será 100% devolvido”, enfatiza. Com formação em Administração de Empresas, o hoje analista técnico do Sebrae. Porto já atuou como assessor de imprensa do “Moleque” e de outros clubes, alimentando a mídia com coberturas esportivas. Nascido em Judiaí (SP), casado com Iriane Porto e pai das meninas Júlia, 11, e Beatriz, de três, ele conta que sempre pensou em escrever sobre o clube. “Cheguei em Jaraguá do Sul em 1988, com 12 anos, quando conheci o Juventus. Foi paixão imediata”, resume. “História bonita e inspiradora” Fundado em 1º de maio de 1966, o Grêmio Esportivo Juventus surgiu impulsionado pelo padre Elemar Scheid, que na época jogava futebol. “Era chamado do ‘time do padre’, porque surgiu pelo Grêmio da Juventude Católica, e ‘time do povo’, formado pelo grupo de jovens que se reunia nos fins de semana para jogar”, conta Henrique Porto. “A ideia, ao escolher 1976, é mostrar a história bonita e inspiradora, quando os atletas jogavam muito mais pelo amor à camisa”, diz. Contatos para contribuir ao projeto através do e-mail henriqueporto@yahoo.com.br, (47) 9991-0818.