Uma temporada de adaptação. É desta forma que o atleta Maico Juliano Fendrich avalia seu primeiro ano no futsal espanhol. Natural de São Bento do Sul, o pivô de 29 anos foi contratado em 2016 pelo Palma, mesma equipe em que atua o schroedense Éder, ex-Jaraguá, e o atleta revelado no Projeto Futsal Menor, do Colégio Evangélico Jaraguá, Felipe Paradynski. O trio ajudou o time a chegar nas fases decisivas dos campeonatos locais, mas acabaram sendo eliminados nas quartas de final da Liga Nacional e Copa da Espanha para o Barcelona e Elpozo Murcia, respectivamente. Com o término dos campeonatos no país europeu, Maico veio a Jaraguá do Sul para tratamento de uma lesão no púbis, sofrida no penúltimo jogo da temporada, diante do Barcelona. Em entrevista ao jornal O Correio do Povo, o jogador avaliou sua trajetória de estreia pelo Palma. “A primeira temporada na Espanha é sempre um pouco mais difícil para adaptação, ainda mais para um pivô, pois eles não têm costume de usar um jogador da posição. Então, a adaptação foi um pouco lenta, além de ter uma lesão que me deixou um tempo parado.
Maico (D) se reapresenta ao Palma em agosto e trata lesão no púbis com o fisioterapeuta do Jaraguá Futsal, Wilson Gomes Junior | Foto ERduardo Montecino
Maico  se reapresenta ao Palma em agosto e trata lesão no púbis com o fisioterapeuta do Jaraguá Futsal, Wilson Gomes Junior | Foto Eduardo Montecino
Mas, nas próxima temporada a expectativa é muito grande e queremos conquistar títulos pelo Palma”, disse o atleta, que foi revelado no futsal de São Bento e tem passagens por AD Hering, de Blumenau, e Sorocaba, no Brasil, além do futsal chinês e francês. Com mais um ano de contrato fixado ao Palma, Maico inicia a nova pré-temporada pelo clube no mês de agosto, e quer chegar bem fisicamente. Para isto, ele vem fazendo tratamento diário da lesão no púbis com o fisioterapeuta do Jaraguá Futsal, Wilson Gomes Junior. “O Maico chegou com essa lesão no púbis, fizemos uma avaliação completa e foi diagnosticado que ele está com alguns desequilíbrios musculares e descarga de peso bilateral. Fizemos um programa de tratamento para que estes desequilíbrios sejam corrigidos e ele chegue numa melhor condição possível na reapresentação ao clube”, disse Junior, da WJR Fisioterapia Esportiva.