Visando a disputa dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a Seleção Brasileira Adulta Feminina de Basquete participa de um evento-teste na capital carioca que começa na próxima sexta-feira (15) e se estende até o domingo (17). E Jaraguá do Sul estará representada na competição que ocorre na Arena Carioca 1, no Parque Olímpico da Barra. Comandante do naipe feminino da modalidade em Jaraguá, Julio César Patrício soma mais uma passagem pela Seleção como assistente técnico, enquanto Anna Beatriz de Oliveira, armadora da equipe jaraguaense no ano passado e considerada uma das revelações da Liga Nacional realiza o sonho de representar o país pela primeira vez na carreira. Sob o comando do técnico Antonio Carlos Barbosa, o elenco iniciou a preparação com treinamentos em São Paulo na semana passada e encerrados na última segunda-feira (11). Ontem, os selecionados desembarcaram no Rio de Janeiro, onde disputam dois amistosos preparatórios para o evento-teste, disputado juntamente com Austrália, Argentina e Venezuela. “Este será um evento histórico para todos os atletas e profissionais envolvidos. Representar nosso país sempre é uma honra. Jogar aqui [no Brasil] então será um momento único”, disse Patrício. Anna Beatriz se mostra supresa. “Nunca defendi a Seleção Brasileira. Então foi uma surpresa muito grande para mim. Demorou para cair a ficha depois que fui chamada. O Cristiano Cedra e o Júlio Patrício [assistentes técnicos] haviam conversado comigo há um tempo atrás sobre essa possibilidade, mas não acreditava. Está sendo uma grande oportunidade para mim jogar ao lado de jogadoras muito experientes”, destacou. A convocação para o torneio aumenta as esperanças da armadora de 20 anos de fazer parte da equipe nas Olímpiadas. Após essa preparação, a comissão técnica dá sequência ao cronograma no dia 1º de maio, quando será divulgada uma nova lista de convocados para a última etapa de treinos. Posteriormente, Barbosa irá relacionar as 12 atletas que representam o país no maior evento esportivo mundial. “A Anna é uma armadora diferenciada fisicamente, muito veloz e com um jump [arremesso] pouco visto no basquete feminino, além de ter um bom comando em quadra. As chances de ficar na Seleção só dependem dela”, comentou Patrício.