Poder apreciar a beleza de uma região rica em diversidade de fauna e flora é o ponto-chave da Rota da Natureza e Fé. A região, que engloba quatro cidades peculiares de Santa Catarina, possui uma grande área de preservação e conta com uma imensa variedade de espécies de animais e plantas.

Jaraguá do Sul, Corupá, São Bento do Sul e Campo Alegre estão muito próximas umas das outras e traçam um caminho exuberante quando se trata de natureza. O clima das quatro cidades é muito parecido, o que diferencia é a altitude de São Bento do Sul e Campo Alegre em relação a Jaraguá do Sul e Corupá.

Relativamente, uma das espécies mais comuns nas duas cidades que estão mais altas em relação ao nível do mar, é a araucária, que produz o pinhão, o grande destaque. Entretanto, em suma, as espécies são variadas, mas seguem o mesmo padrão nos quatro municípios.

De acordo com o biólogo da Fundação Jaraguaense de Meio Ambiente (Fujama), Christian Raboch Lempek, quando se fala em fauna, existe uma variedade de aves que tem como habitat essa região. "São mais de 360 espécies de aves, e essa diversidade é alta principalmente pela região fazer parte do bioma mata atlântica", explica.

Surpresas no trajeto

Percorrendo todo o trajeto da Rota da Natureza você irá se deparar com uma paisagem linda, cercada por morros, uma imensidão de espécies de árvores, flores, e animais até mesmo inusitados.

O biólogo comenta que se você tiver sorte pode ouvir uma sabiá preta cantando ou um trinca-ferro, por exemplo. Além disso, Puma e Anta, são espécies que apesar de bem raras de se encontrar, ainda existem nesses municípios. Em 2019 o sistema de monitoramento da Fujama flagrou um Puma em uma área afastada em Jaraguá do Sul.

Pode ser comum avistar um animal cruzando a rua ou um macaco bugio pulando em uma árvore. Os animais estão ali, eles integram a paisagem!

No que se refere à flora, são muito visíveis os Ipês amarelos, Guapuruvus, pés de Araçá, ou mesmo espécies ameaçadas de extinção como Canela, Canela preta, Cedro e, em alguns lugares, árvores centenárias.

Conhecer para preservar

Preservar o meio ambiente não é um assunto novo, mas para que isso ocorra as pessoas devem ter conhecimento de que estão sim inseridas no meio ambiente do município em que vivem. Conhecer as espécies, seja da fauna ou da flora, é essencial para a preservação e conservação.

"Por isso a importância da educação ambiental para inserir o ser humano nesse contexto e saber equilibrar esse convívio", ressalta Lempek.

Ele ainda pontua que algumas espécies são mais sensíveis às alterações humanas e, por isso, estão ameaçadas de extinção, por conta da perda de habitat, desmatamento, tráfico de animais e caça.

Espécies de fauna ameaçadas de extinção na nossa região: Gato-do-mato-pequeno (Leopardus guttulus), Gato-maracajá (Leoparduswiedii), Jaguatirica (Leopardus pardalis), Bugio (Alouatta guariba), Anta (Tapirus terrestris), Cervos (Mazama spp.).

Segundo o biólogo, as pessoas têm que ter informações das espécies que habitam na região para assim poder preservar aquilo que se conhece.