Foto Eduardo Montecino/OCP News
Foto Eduardo Montecino/OCP News

Se em 2009 Jaraguá do Sul e Guaramirim ofereciam 4.392 vagas para o ensino superior, no ano de 2017 os dois municípios somavam mais de 15.100 vagas disponíveis para as modalidades de bacharelado, licenciatura e tecnológico.

Os números representam um crescimento de mais de 240% nos últimos oito anos.  Em 2018, segundo dados das instituições de ensino superior nos dois municípios, 8.059 pessoas estão cursando essa modalidade de ensino.

De acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o número de inscritos em cursos de graduação acompanha este crescimento.

O índice aumentou 213,11%, subindo de 4.310 estudantes para 13.495 - os números incluem pessoas de Guaramirim e Jaraguá do Sul frequentando cursos em outras cidades.

A Uniasselvi, em Guaramirim, e o Centro Universitário Católica de Santa Catarina, em Jaraguá do Sul, são as mais procuradas pelos estudantes, com 3.800 e 2.500 alunos matriculados, respectivamente.

No ano passado, a modalidade com maior demanda em Jaraguá, por exemplo, foi o bacharelado, com 4.406 inscritos em cursos presenciais e 1.445 em graduações à distância.

Na sequência vem a modalidade tecnológica, com 1.233 matrículas no modo presencial e 1.445 a distância. A maior oferta no município vem das instituições privadas.

Em 2009, a modalidade tecnológica liderava com 1.674 inscritos. O bacharelado tinha 1.138. Naquele ano, apenas 72 vagas foram oferecidas em Jaraguá na rede pública, em especial para a licenciatura.

Já em 2017, o número chegou a 395, sendo a maioria na modalidade tecnológica. Há oito anos também não tinha cursos à distância disponíveis.

No ano de 2010, no último censo realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 5.877 pessoas tinham concluído o ensino médio e estavam com o superior incompleto em Guaramirim.

Outras 1.804 já eram graduadas. Em Jaraguá, 37.318 tinham terminado o ensino médio mas estavam com o superior incompleto, enquanto 14.707 já haviam completado o ensino superior.

Segundo o IBGE, 651 guaramirenses estavam cursando alguma graduação em 2010. Mais de 6,1 mil jaraguaenses também estavam neste nível de ensino.

Mas nem só os números mudaram nesses últimos tempos. O mercado de trabalho está mais exigente; as formas de acesso à uma graduação aumentaram com a criação de programas sociais, financiamentos e bolsas de estudo; e novos cursos surgiram com o avanço da tecnologia.

Uma demanda que antes atendia por cursos mais tradicionais como direito, administração e psicologia, atualmente está voltada para as necessidades da indústria e da inovação.

A área da saúde também ganhou espaço. Um exemplo é a chegada do curso de medicina em Jaraguá neste ano e a promessa de novas graduações neste segmento em 2019.

Novas tendências de ensino

O ensino superior está se transformando, mas não apenas na questão de demanda, como também na forma de aprender. Esta é a visão do reitor do Centro Universitário Católica de Santa Catarina, Diogo Benke.

Segundo ele, há dez anos os cursos mais procurados eram os tradicionais como direito, administração e as engenharias, que praticamente garantiam a empregabilidade do aluno.

Com as mudanças no mercado de trabalho, novas graduações e segmentos surgiram. De acordo com Benke, a tecnologia trouxe uma gama de cursos novos, assim como cursos mais específicos dentro de áreas já consolidadas. Isso está principalmente ligado à demanda do mercado industrial.

"Sessenta e cinco por cento das profissões de hoje, daqui a dez anos, não vão existir da mesma maneira. Até os cursos tradicionais serão afetados, e não só os tecnológicos, de automação ou indústria. No direito, por exemplo, já existem programas capazes de acertar 75% das decisões dos juízes. As mudanças estão acontecendo rápido", aponta Benke.

Outro campo que está sendo explorado ultimamente são as competências socioemocionais dos alunos.

Segundo o reitor, os profissionais não estão mais se destacando apenas pelas qualidades técnicas, mas sim pela capacidade de lidar com as emoções e trabalhar em grupo. "O mercado está procurando por isso e a nossa preocupação é preparar esses jovens", aponta.

Em Jaraguá, conforme o reitor, o foco do ensino superior atualmente é o empreendedorismo e a inovação. "O empreender não é apenas montar empresas, mas usar essa competência no local de trabalho", comenta.

As tendências de graduação, conforme Benke, são as ligadas à tecnologia e à inovação em saúde, como biotecnologia e biomedicina. Os cursos sobre desenvolvimento de software, tecnologia da informação e inteligência artificial são outras áreas em destaque.

A Católica conta com 2.500 estudantes no campus de Jaraguá do Sul. A quantia vem se mantendo estável nos últimos quatro anos. "Mas, de 2010 a 2015, com o crescimento das oportunidades, do acesso a financiamentos e surgimento de novos cursos, o número de alunos subiu 25%", avalia o reitor.

Para Benke, o principal motivo para este aumento é a exigência por qualificação profissional na indústria e em outras áreas. Ele ainda acredita que a flexibilidade proporcionada pelos ensino à distância facilita o ingresso do aluno, principalmente nos grandes centros.

"Nos cursos das áreas de humanas e sociais é mais fácil adaptar o conteúdo para o aluno não precisar estar em sala de aula, já em cursos onde a interação precisa ser maior e há necessidade de laboratórios, por exemplo, é mais difícil", diz.

Em 2019, um dos objetivos do Centro Universitário é fazer com as disciplinas tenham uma maior correlação dentro do semestre e que os alunos consigam trabalhar com todas de uma forma conjunta.

 

Centro universitário

Conforme o diretor da Uniasselvi/Fameg de Guaramirim, Mário Sérgio Peixer Filho, cursos como direito, psicologia e administração ainda têm bastante procura, mas as novas demandas realmente estão relacionadas à inovação industrial e em saúde.

Com esta mudança, ele aponta que as matrizes dos cursos já consolidas também vão precisar de uma atualização para atender as novidades do mercado. "O foco da faculdade é atender o público e eles, os alunos, buscam uma empregabilidade garantida ao completar a graduação", explica.

Engenharia mecânica, nutrição, gestão em agronegócio e engenharia mecatrônica são alguns dos novos cursos que devem chegar à Uniasselvi.

"Vamos lançar no mínimo cinco cursos na área de saúde e tecnologia, como medicina veterinária e novas engenharias, ainda estamos em fase de estudos", observa. A principal preocupação é o mercado regional.

Dos 3.800 estudantes da faculdade, praticamente metade está matriculada na modalidade a distância. De acordo com o diretor, demanda pela chamada EAD é forte, mas a unidade consegue manter o número de alunos presenciais.

"A crise afetou um pouco. Para manter as mensalidades do presencial não é fácil para muitos estudantes. Na região, a procura pelo EAD  e modelo híbrido está crescendo", garante.

O diretor conta que a partir de 2019, a Uniasselvi se chamará Centro Universitário Leonardo da Vinci. A mudança de faculdade para centro universitário dá mais autonomia para a unidade, que poderá criar novos cursos.

"Isso para a região é muito positivo", destaca Peixer Filho. Para alcançar esta denominação, a Uniasselvi precisou atender requisitos como infraestrutura, corpo de docentes e matrizes curriculares.

Instituições que oferecem ensino superior em Jaraguá do Sul e Guaramirim:

  • Católica: 2.500 alunos;
  • Uniasselvi: 3.800 alunos;
  • Unissociesc: 750 alunos;
  • IFSC: 594 alunos;
  • Senai: 370 alunos;
  • Estácio de Sá: 45 alunos;
  • Anhanguera: não disponibilizou dados por política interna.

Total de alunos cursando graduação em Jaraguá do Sul e Guaramirim: 8.059.

Educação superior em dados

Jaraguá do Sul 2009

  • Vagas oferecidas: 3.192;
  • Inscritos: 3.194.

Jaraguá do Sul 2017

  • Vagas oferecidas: 7.301;
  • Inscritos: 10.094 - 6.087 presencial e 4.007 a distância.

Guaramirim 2009

  • Vagas oferecidas: 1.200;
  • Inscritos: 1.116.

Guaramirim 2017

  • Vagas oferecidas: 7.799;
  • Inscritos: 3.401 - 2.566 presencial e 835 a distância.

Total de alunos inscritos

  • Jaraguá do Sul e Guaramirim em 2017: 13.495;
  • Jaraguá do Sul e Guaramirim em 2009: 4.310.

Os números incluem tecnológico, bacharelado, licenciatura com bacharelado e apenas licenciatura. Para 2009 não há dados sobre ensino a distância.

Região Sul do Brasil

  • Número de vagas oferecidas: 911.032 (2017) x 571.865 (2009);
  • Número de matrículas: 998.285 (2017) x 865.936 (2009);
  • Número de concluintes: 145.245 (2017) x 136.337 (2009);
  • Número de cursos: 6.361 (2017) x 5.386 (2009).

As 197 universidades existentes no Brasil equivalem a 8,2% do total de instituições de ensino superior.

Por outro lado, 53,7% das matrículas em cursos de graduação estão concentradas nas universidades; 83,3% das instituições de ensino superior brasileiras são faculdades, nas quais estão matriculados apenas 26,7,% dos estudantes; ainda há 166 centros universitários (6,9%); e 40 institutos federais e Cefets (1,7%).

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?