A Internet das Coisas (IdC) – também tratada pela sigla em inglês IoT (Internet of Things) surgiu para conectar o mundo físico ao tecnológico. A tecnologia permite que aparelhos eletrônicos se comuniquem entre si, graças à internet.

Com a chegada da internet 5G ao Brasil, a expectativa é que a Internet das Coisas mude o nosso dia a dia.

“Teremos a criação de um ecossistema digital onde tudo se comunica e a gente vai ganhar mais tempo”, diz o secretário de Telecomunicações do Ministério das Comunicações, José Afonso Cosmo Júnior. “Vai chegar um momento em que minha roupa vai avisar à lavanderia que já está na hora de lavar”.

 

Veja exemplos de como Internet das Coisas pode ser usada:

 

Casa inteligente

Em Curitiba, o engenheiro William Padilha tem o que se chama de smart home (casa inteligente, em tradução livre). Ele utiliza o Google Nest, um aparelho que comprou quando morava na Alemanha e que, pareado com seu celular, ajuda a fazer ligações, acessar notícias, checar lembretes, ouvir música e até conferir a previsão do tempo.

“Ele já traz a música de que eu gosto e as notícias que quero ver. Tudo após um simples good morning, Google [Bom dia, Google]”, revela.

E não para por aí. Padilha colocou outro aparelho na casa dos pais, que ajuda na rotina com os remédios, por exemplo. “Eu consigo lembrá-los da minha própria casa sem ter a necessidade de estar com eles lá ou ter de fazer uma ligação”, diz. Veja como funciona:

O editor de imagens Roberto Maia usa o smart home Alexa para controlar vários equipamentos na sua casa: luzes, ar-condicionado e televisão. A casa é toda automatizada e até o filtro da piscina é controlado pelo celular. Para ele, essa automação traz segurança.

“Mesmo viajando, eu consigo ligar as luzes de casa pelo celular.”

A tecnologia também ajuda com os cinco cachorros de estimação quando está de férias: pela câmera, ele dá uma olhada pra ver se está tudo certo e mata a saudade dos pets.

Prática de esportes

Outro exemplo de como a Internet das Coisas pode facilitar o dia a dia é o smartwatch. Conectado ao celular, ele recebe mensagens e ligações. Mas pode ir muito além: com aplicativos, pode medir o batimento cardíaco e o nível de atividade física.

É exatamente com esse propósito que o triatleta brasiliense Calebe Nunes da Silva utiliza seu relógio quando pratica natação, ciclismo e corrida.

“É bom para saber como estou evoluindo em cada modalidade. Automaticamente, ele já passa tudo para o meu treinador saber onde estou tendo dificuldade”, diz o triatleta.

Segundo ele, modelos mais avançados medem a oxigenação sanguínea e até já salvaram a vida de pessoas em início de infarto. Com a 5G, aplicações como essa avançariam cada vez mais.

Calebe conta com o auxílio do smartwach para treinar.
Foto: Arquivo Pessoal

Medicina

A Internet das Coisas também está presente na medicina, com monitoramento de estoques de sangue e da temperatura de armazenamento de medicamentos e vacinas. Caso os sensores identifiquem falhas na conservação, eles acionam as equipes para que tomem providências.

Ou os óculos de realidade virtual, que permitem aos médicos estudarem os órgãos e o corpo humano em realidade virtual.

Foto: Civiam

Indústria

Na indústria, é exemplo também a utilização de óculos de realidade aumentada, que permitem aos engenheiros e demais funcionários observarem o interior das máquinas, sem ter a necessidade de desmontar todo o equipamento.

Foto: A Voz da Indústria

No campo

No campo, a IdC auxilia no aumento da produtividade, redução de custos e diminuição de perdas. Com ela é possível avaliar a umidade e as condições climáticas para programar a irrigação automatizada da lavoura. Além disso, drones auxiliam na verificação da existência de pragas e produtividade das colheitas. Rebanhos podem ser monitorados por chips que enviam informações sobre a saúde e o comportamento do animal, além de sua localização pelo GPS.

Foto: Agropós

Com informações de Agência Brasil.