O filme 'Eu Sou a Lenda', estrelado por Will Smith, mostra a Terra após um vírus transformar quase toda a população em zumbis. Com a pandemia da Covid-19, o filme inspirou uma teoria da conspiração pelos internautas que afirmam que algo semelhante pode acontecer por causa das vacinas contra o coronavírus.

No filme, foi tentado mudar a genética do sarampo para curar o câncer, porém dá errado e cerca de 99% da população mundial morre. Exceto o personagem de Will Smith e outros coadjuvantes, os sobreviventes à infecção se tornaram zumbis.

E os grupos anti-vax, pessoas que não acreditam e se recusaram a receberem as vacinas, estão utilizando o filme como propaganda de fake news, alegando que algo parecido poderia acontecer com as pessoas que recebessem as doses da Moderna ou Pfizer nos EUA.

O jornalista Marc Bernardin publicou nas redes sociais a bizarra teoria com trechos de uma reportagem do jornal The New York Times que comparava o filme 'Eu Sou a Lenda' e a pandemia da Covid-19.

“Nós vamos todos morrer. Mais cedo do que devemos”, escreveu o jornalista em relação às fake news.

A matéria do jornal estadunidense tem como contexto um proprietário de uma loja de óculos no Bronx, em Nova York, que pedia aos seu funcionários que tomassem qualquer imunizante contra a Covid-19.

 

“Uma funcionária disse que estava preocupada porque achava que uma vacina havia feito os personagens do filme ‘Eu Sou a Lenda’ se transformarem em zumbis”, diz um dos trechos da notícia.

O roteirista do filme Akiva Goldsman foi às redes sociais desmentir a fake news antivacina sobre o filme, que foi baseado em um romance de 1954 que tem o mesmo nome.

 

"Oh. Meu. Deus. É um filme. Eu inventei isso. Não. É. Real", disse o cineasta de 59 anos.

Internautas acreditaram

Por incrível que pareça, as pessoas estão acreditando nesta fake news. O portal de notícias BBC informou que o Facebook e o Twitter já apagaram diversos conteúdos relacionados ao tema pela "prática de fake news".

Uma das fake news, diz que o responsável por fazer as pessoas virarem zumbis não foi a doença, e sim a vacina.

Outra publicação diz que o longa é “tão real que até foi ambientado em 2021”, o que corresponderia à pandemia e ao lançamento global das campanhas de vacinações porém o filme se passa em 2012.