O "Um Banda", primeiro personagem que levou o artista Luís Holl, 32 anos, ao palco das ruas, chamou a atenção de florianopolitanos e turistas no trapiche da Beira-Mar Norte, na manhã de domingo (08). Devidamente caracterizado, o artista transformou o próprio corpo em uma banda.

Para interpretar Um Banda, Holl precisa estar com voz afinada e sincronizar os acordes do acordeon com as batidas dos pés que conduzem uma meia-lua e se conectam ao tambor acoplado nas costas por meio de uma corda. Além do ritmo e da boa música, ele esbanja simpatia e bom humor.

O espetáculo de aproximadamente 20 minutos contemplou músicas típicas, paródias, composições próprias e contos do folclórico Boi de Mamão. A apresentação foi aprovada pelo público que agradeceu com contribuição voluntária ao artista.

Leia mais: Em clima junino, Second lança o arraiá El Fuego

"Foi quando eu pensei: 'O que mais eu sei fazer além disso?'. Eu sabia tocar violão e investi nisso. Estudei, me formei em música e dei aula por muito tempo", contou.

Com a música, vieram os projetos artísticos. Em 2015, Holl soltou a criatividade e começou a estudar o personagem Um Banda, que teve como base o arquétipo do louco e ganhou vida no ano seguinte. Ele também elaborou o figurino e desenvolveu o aparato musical. A ideia tornou-se um projeto itinerante que percorreu o litoral brasileiro e terminou aqui, na Ilha da Magia.

O artística, que agora mora em Florianópolis, trabalha em novos projetos que envolvem o teatro e continua considerando o palco da rua. A instabilidade é algo que o preocupa, mas não o desencoraja a levar a sua arte ao público que estiver disposto a prestigiá-la.

"Haveria muito mais (arte de rua) se existisse essa cultura no Brasil. Chapéu não sustenta um grupo, eu consigo tirar alguma coisa porque faço (o trabalho) sozinho e criei uma coisa mais musical", avaliou.

Holl está trabalhando em novo personagem que explora a origem do famoso "jeitinho brasileiro". O estudo precisa alinhar crítica e humor, além de ser sucinto e de fácil entendimento para o público da rua que é tão variado e imprevisível. O artista também está criando uma peça com base no folclore do Boi de Mamão ao lado de uma colega atriz. Os trabalhos dele são divulgados pelas redes sociais.

Confira trecho da apresentação

Quer receber as notícias no WhatsApp?