Um site chamado Telefone.ninja ganhou destaque nos últimos dias após viralizar nas redes sociais. Ele permite que qualquer pessoa busque, de forma gratuita, informações pessoais como números de telefone fixo e celular, e-mail e endereço de um grande número de brasileiros na internet. A exposição dos dados sem permissão fez muitos brasileiros reclamarem nas redes sociais.
A gente fez algumas pesquisas aqui no QG e realmente funciona, o que é um pouco assustador, não é? Em alguns casos pode ser que os dados apresentados possam ser antigos, mas em muitos outros está tudo atualizadinho. 8O
20170606175910_660_420
Clique aqui para acessar.
Os donos da Telefone.Ninja, entretanto, se apresentam como uma lista telefônica e alegam que todo o material divulgado na página foi obtido de maneira legal por meio de listas telefônicas públicas. A página cita inclusive a Lei Geral de Telecomunicações (9.472/97) para justificar a sua existência.

Retire os seus dados

Mas se você se sentir exposto, pode pedir a remoção das informações. Para isso, basta acessar a página dos dados que devem ser retirados do ar e fazer o requerimento por meio de um link que existe lá. Entretanto, como o site solicita constantemente a lista atualizada de assinantes das operadoras de telefonia, seus dados podem voltar para lá.
Nesse caso, a exclusão definitiva só pode ser feita entrando em contato com a sua operadora de telefonia. Em suma, a coisa aqui funciona de forma tradicional em relação às listas telefônicas: cabe ao assinante informar à operadora que não deseja ter as suas informações divulgadas em nenhum canto. Além disso, uma busca com seu nome ou seus dados no Google pode revelar o quanto eles já estão públicos e disponíveis pela web.

Mas isso não é estranho?

É sim! De acordo com o pessoal do Tecmundo, a página está hospedada na Hungria, e a sua manutenção fora do Brasil dificulta bastante a ação da Justiça sobre ela. E como o site não revela nenhum dado sigiloso, ele funciona apenas como uma espécie de agregador, uma lista telefônica digital, dificultando ainda mais qualquer intervenção.
Desta vez, porém, apesar de polêmico, o site não parece incorrer em nenhuma ilegalidade.
Fontes: Tecmundo e Época
Foto de capa: Carl Court/Getty Images