Se em 2017 o jaraguaense não pode pular Carnaval na cidade, em 2018 já pode preparar a fantasia para cair na folia. De acordo com a secretária de Cultura, Natália Lúcia Petry, no próximo ano o Carnaval vai acontecer como manda a tradição: com desfile na rua e festa no Parque Municipal de Eventos, no dia 10 de fevereiro. “Estamos organizando a programação ainda. A princípio dois blocos da cidade vão desfilar, mas ele vai ser realizado sim. Sempre focamos naquilo que é a missão da secretaria: oportunizar todas as iniciativas culturais do município e o Carnaval é uma delas”, afirma. Natália explica que neste ano não foi possível realizar a festividade por questões financeiras. “Não havia previsão orçamentária para ele na Secretaria de Cultura e por ser a primeira ação, ficou prejudicada. Mas no decorrer do ano fomos recompondo o orçamento e conseguimos manter todas as ações que aconteciam tradicionalmente, como o Jaraguá em Dança que foi um sucesso, o retorno do Festival da Canção e a Schützenfest, e para o próximo ano conseguimos manter também essa celebração”, enfatiza. O orçamento estimado para o Carnaval gira em torno de R$ 40 mil. ÁREA CULTURAL DEVE GANHAR INCREMENTO A secretária Natália Petry também anunciou outra novidade para o próximo ano no cenário da cultura. Além da volta do Carnaval, ela conta que em 2018 deve ser realizado o Bolsa Técnico Cultural. “A exemplo do que acontece no esporte, onde o programa atende várias modalidades, faremos na cultura para atender diversas áreas artísticas nas escolas municipais”, conta. Ela explica que o projeto de lei, que já está no setor jurídico, será encaminhado para a Câmara de Vereadores assim que o ano iniciar. “O edital deve ser lançado no inicio de 2018 e com toda a certeza até o segundo semestre daremos início. Fizemos uma pesquisa nas escolas e há cerca de 1,7 mil crianças que devem ser atendidas por ele. Será uma parceria com as escolas para regatar o fomento da cultura com as crianças, e as aulas devem ocorrer como atividades no contra-turno escolar”, afirma. Segundo Natália, 2017 “começou ruim, mas o orçamento foi recomposto e está sendo possível planejar muitas novidades para o ano que vem”.