Duas cidades litorâneas da região Norte de Santa Catarina estão estudando a possibilidade de implantar uma taxa de preservação ambiental.

As prefeituras de São Francisco do Sul e de Itapoá, no Litoral Norte, anunciaram projetos para analisar se este imposto aos turistas é executável.

Em São Francisco do Sul, por exemplo, um estudo está em andamento durante a temporada de verão para, de formas quantitativa e qualitativa, analisar os aspectos da demanda turística do município.

Caso as taxas sejam aprovadas, elas passariam a valer na temporada de 2018/2019. Moradores destas cidades não seriam cobrados, assim como donos de imóveis no município.

Prestadores de serviços e de fornecimento, caminhões e trabalhadores na cidade que residem em outras localidades também não precisariam pagar a taxa.

Bombinhas é um dos municípios pioneiros na aplicação da taxa em Santa Catarina: a cidade cobra a entrada de visitantes por veículo na alta temporada (de novembro a março). Os valores variam de R$ 3 a R$ 130.

Em outras regiões do país, como Fernando de Noronha, no Pernambuco, a taxa é cobrada por pessoa de acordo com o total de dias de permanência, com valor diário de R$ 51,40.

Fonte: NSC/DC
Foto destaque: Celetur Turismo