É bem possível que você nunca tenha ouvido falar de Giovani Cidreira, cantor, compositor, arranjador e instrumentista baiano bastante requisitado na cena independente nacional desde o ano passado. Não seria má ideia finalmente conhecer sua figura e, principalmente sua música. E a oportunidade será dada às 21h desta sexta-feira (21), na Casa 97, em Joinville. Jesus Luhcas fecha a noitada.

O motivo da falação é “Japanese Food”, o belo disco de estreia (tirando o EP de 2014) lançado pelo músico de Salvador no ano passado. Um portentoso suco de MPB setentista, pop dos 80 e psicodelia batido no liquidificador do indie atual. Não é preciso dizer que passa longe do axé – o papo aqui é fazer o ouvinte viajar nas próprias emoções.

O álbum abriu as portas para Giovani na mídia especializada – Estadão, Trabalho Sujo, Popload, Scream and Yell e a Rolling Stone falaram dele -, o que levou a convites de festivais importantes, como Coquetel Molotov, Se Rasgum, SIM SP, Bananada, Virada Cultural e Festival de Inverno de Garanhuns. Ele também ganhou como melhor intérprete masculino no Prêmio Caymmi e a categoria Novo Talento no Prêmio SIM SP.