Segunda cachoeira também é utilizada por praticantes de rapel | Foto Eduardo Montecino

Segunda cachoeira também é utilizada por praticantes de rapel | Foto Eduardo Montecino

As cidades do Vale do Itapocu podem até não ter praias, mas são cercadas por cachoeiras em meio à Mata Atlântica que são um verdadeiro refúgio para quem deseja se refrescar. Longe dos roteiros mais tradicionais, a equipe do OCP foi até Schroeder para descobrir se o Recanto Renascer ainda estava ativo.

O local é uma área privada na região do bairro Itoupava-Açu e conta com 12 cachoeiras, sendo que apenas quatro estão disponíveis para visita.

A trilha que leva até a última queda d'água dura aproximadamente meia hora. Mas para o simpático Alfonso Oberthir, de 74 anos, que conhece o caminho como a palma da mão, o trajeto é feito em dez minutos.

"Para quem não conhece demora um pouco, mas eu sou ligeiro, conheço cada pedaço daqui", observa enquanto guia a equipe de reportagem.

Oberthir é quem abriu a trilha e estruturou o espaço. Ele construiu cerca de dez choupanas com madeiras e galhos que encontrou pela região. "Também usei um pouco da criatividade. Para fazer o teto desta choupana, por exemplo, peguei uma parabólica como base", comenta.

Há mais de 30 anos, a rotina diária do agricultor é cuidar do recanto. Ele faz questão de deixar o espaço de lazer e da trilha limpos e seguros, varrendo as folhas, tirando os lixos que alguns visitantes deixam e fazendo a poda de alguns galhos.

Enquanto trabalha, Oberthir ainda fica de olho na entrada da trilha para receber os turistas e dar as devidas orientações.

Oberthi abusou da criatividade para construir as choupanas e oferecer mais conforto aos turistas | Foto Eduardo Montecino

Para desfrutar das choupanas não é cobrada nenhuma tarifa. Já para quem deseja subir as cachoeiras, o ingresso é R$ 10 por pessoa. O valor auxilia Oberthir na manutenção do local.

O agricultor, que também cultiva aipim, batata e palmito, não recebe apoio da Prefeitura ou de outras entidades para conservar a propriedade.

"Cuido sozinho de tudo desde o início. Sofri muito para deixar o espaço adequado ao turismo, fiz alguns empréstimos para investir", recorda Oberthir. O agricultor comprou a área em 1996. Vendeu os imóveis e terrenos que tinha para plantar e criar porcos em um local maior.

No entanto, pouco depois de se instalar, uma enchente levou tudo que Oberthir tinha feito e deixou a propriedade ainda mais reclusa.

Foi aí que o agricultor teve a ideia de apostar no turismo. Até então, ele só sabia da existência da primeira cachoeira. "Aqui era só mato e pedra. Fui seguindo um caminho, quebrando algumas pedras e galhos para formar a trilha", relata.

Espaço é cercado pela natureza e vem sendo procurado por visitantes de diferentes estados | Foto Eduardo Montecino

De acordo com Oberthir, o Recanto Renascer é visitado por turistas de todo o Brasil, incluindo dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Moradores da região estão entre os mais frequentes.

"Eles chegam aqui e se encantam. Ficam por horas embaixo da cachoeira para tirar o estresse. É algo relaxante para quem tem uma rotina agitada o ano inteiro", avalia.

O movimento maior é entre janeiro e fevereiro. "Rende mesmo nesses meses, depois quase não temos lucro", aponta. Por esta razão, o agricultor gostaria de ter mais apoio do poder público para preservar a área natural.

"Quero morrer aqui"

Antes de inaugurarem uma ponte no bairro Itoupava-Açu, Oberthir atravessava a pé o rio entre sua casa e o Recanto Renascer. A nova estrutura facilitou o caminho diário do agricultor. Na residência dele, inclusive, a única água utilizada é das nascentes que cortam a região.

"Não tem coisa melhor. Essas águas compradas não são boas igual essa", garante. Para ele, o maior prazer de estar todos os dias no recanto é poder admirar a natureza e poder caminhar entre as árvores.

"Quero morrer aqui. Foi tão difícil para deixar bonito como está, não quero ir embora ou parar de trabalhar", declara.

Há 30 anos, os dias de Oberthi são dedicados ao recanto | Foto Eduardo Montecino

De companhia, Oberthir tem alguns cachorros que o seguem por onde ele vai. Segundo o agricultor, os animais também acompanham os turistas pelo caminho e até os ajudam.

"Quando eles param é sinal que tem algo de errado, então tem que ficar atento. No calor é mais fácil de aparecer animais peçonhentos, como cobras, mas não tivemos casos ainda", comenta.

Além de levantar mais choupanas, o agricultor pretende construir um corrimão pela trilha para auxiliar os visitantes.

Cachoeiras impressionam por altura e beleza

A primeira vista ao chegar no Recanto Renascer é do espaço de lazer montado por Oberthir. Ali mesmo, entre as choupanas, há uma pequena cachoeira que forma piscina natural para os banhistas. Essa parte, segundo o agricultor, é uma das que mais exige trabalho.

"Gosto de manter ela bem limpa, principalmente porque é uma área onde as crianças gostam de ir e brincar", explica.

O trajeto da trilha fica um pouco mais à frente e já começa cercado pela natureza. A primeira cachoeira pode ser alcançada após 200 metros de caminhada.

A queda d'água é de aproximadamente 30 metros. Para chegar na próxima é necessário subir mais uns 100 metros. Ela tem dois pontos de acesso, sendo o segundo o mais indicado para quem deseja se banhar.

Áreas das choupanas conta com uma pequena queda d'água e piscina natural | Foto Eduardo Montecino

A segunda cachoeira tem 50 metros de queda e também é utilizada pelos aventureiros que praticam rapel. Para terminar a trilha e visitar a terceira e quarta cachoeira, o caminho é mais íngreme, com cerca de 150 metros de extensão.

Um dos pontos de captação da Águas de Schroeder está dentro da propriedade da família Oberthir, no rio Macaquinho, o mesmo que forma as cachoeiras do local e que desemboca no rio Bracinho.

A entrada para as cachoeiras custa R$ 10. Crianças com idade até 12 anos não pagam. Oberthir ressalta que passou a cobrar ingresso para controlar o acesso à propriedade. Segundo ele, muitas pessoas estavam subindo o local durante a noite.

O Recanto Renascer também está disponível para a realização de festas | Foto Eduardo Montecino

Para mais informações sobre o espaço, o contato é 3055-7873. O agricultor destaca que é difícil ele estar em casa ao longo do dia, indicando que as ligações sejam feitas no período noturno. Pela manhã e tarde, é fácil encontrar Oberthir pelo próprio Recanto Renascer.

Como chegar

Para quem vem de Jaraguá do Sul, o acesso é pelo bairro Santa Luzia. Ao passar a ponte Trindade, o visitante deve dobrar à esquerda (sentido contrário ao centro de Schroeder) e seguir pela estrada Bracinho até a Estração de Tratamento de Água. O trajeto pode ser feito vindo do centro de Schroeder, seguindo pela avenida Marechal Castelo Branco até a estrada Bracinho.

Depois de chegar a estação, basta dobrar à esquerda novamente, passar por uma ponte e dobrar à direita. No fim da estrada, é possível avistar as choupanas do recanto. Caso você não encontre o proprietário por lá, pode solicitar informações em uma casa da família Oberthir, localizada poucos metros antes do espaço de lazer.

Ingresso

Cachoeiras: R$ 10 por pessoa. Crianças com idade até 12 anos não pagam. Choupanas: uso gratuito.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?