Não tem como não gostar de Foo Fighters. Quase impossível não simpatizar com Dave Grohl. Afinal, o cara é um baita músico/compositor/artista/empresário/marqueteiro/comediante, e de lambuja, o frontman de uma das melhores bandas do mundo! Mesmo sabendo da tour deles no Brasil, eu e minha esposa não pensamos em ir no show, afinal, depois que nosso filho nasceu, ficou mais difícil fazer programas de “adulto”, pois a gente acaba focando em eventos e atividades infantis, no intuito de participar ativamente do crescimento do filhão. Era segunda (26/02) e não tínhamos nenhuma pretensão de ir ao evento na Pedreira Paulo Leminski, em Curitiba, pois sabíamos que era difícil ajustar agenda no trabalho e ainda conseguir conciliar alguém pra ficar com nosso pequeno. Mas, para minha gratíssima surpresa, quando perguntei pra Roberta (minha esposa) se ela queria ir naquela mesma sexta-feira (02/03) no show do FF, a guria nem pensou muito e topou a trip. Partindo de uma aspiração nula, acabamos saindo de Joinville às 16h para encontrar nossos amigos Zimath e Liz e presenciar um MEGA SHOW! Dave é, indiscutivelmente, o cara! Que presença de palco! Grita, pula, corre, empolga e “abraça” o público como todo grande “tiozão” do rock! Sem dúvida, um mito!  Ele e Taylor (baterista) fazem um dupla dinâmica que funciona de forma absurdamente extraordinária em vários momentos, principalmente no cover de “Under Pressure”, do Queen. O set list foi impecável, um mix de músicas antigas e novas, covers emblemáticos (até Ramones rolou) e uma energia que faz você se sentir o cara mais importante dentre aquelas outras 40 mil pessoas que também pagaram ingresso. Dá pra perceber que eles não têm nenhuma pressa para sair do palco, e que estão se divertindo muito mesmo naquele momento. Foram intensas 2h18min de um show que  deixou saudade, além de um gostinho de “queríamos mais”. Valeu Dave, você fez dois (trintões, quase quarentões) muito felizes! Eduardo Fischer, ex-nadador olímpico e advogado em Joinville. Foto: arquivo pessoal