A Prefeitura de Joinville e a Liga das Escolas de Samba (LIESJ) realizam neste ano o Carnaval de Joinville com uma programação que contempla todos os públicos. Um detalhe importante é a mudança na data do evento, que ocorre um fim de semana antes do feriado de Carnaval.

O ponto alto será no dia 11 de fevereiro, com o Desfile das Escolas de Samba. A concentração começa às 18h, na Avenida Beira Rio. Este ano, o desfile inicia na esquina da rua Max Colin e termina após o Centreventos Cau Hansen.

Já no domingo (12 de fevereiro), a programação é o Carnaval da Família, que contempla Carnaval Infantil, Rua do Lazer, Pet Folia e Encontro de Blocos.

“A Liga das Escolas de Samba trouxe para a gente a proposta de fazer o Carnaval de Joinville uma semana antes do calendário tradicional e nós acolhemos prontamente porque entendemos que isso vai fortalecer o aspecto turístico do Carnaval de Joinville. Uma vez que as pessoas que no dia do Carnaval vão para outras cidades, poderão vir para Joinville verificar como a festa aqui é bacana e tem uma tradição muito forte”, explica o secretário de Cultura e Turismo Guilherme Gassenferth.

“Estamos com uma programação muito bem organizada para que todos possam aproveitar. Joinville é uma cidade plural. Nós temos Natal, Festival de Dança, inúmeras outras atrações culturais, mas nós também temos Carnaval e precisamos reconhecer. É isso que a Prefeitura faz ao apoiar a realização do evento”, afirma a vice-prefeita Rejane Gambin.

As quatro escolas que vão desfilar já iniciaram a preparação e montagem das alegorias. A concentração dos trabalhos ocorre no Expocentro Edmundo Doubrawa, ao lado do Centreventos Cau Hansen.

“Além de toda a alegria e beleza que as escolas já são tradicionalmente conhecidas, elas voltam totalmente empolgadas após quatro anos sem desfile. Esse é o Carnaval da retomada, vamos comemorar a vida. Cada uma das escolas trará cerca de 300 integrantes para a avenida, além de bateria, mestre-sala e porta-bandeira, ala das baianas, comissão de frente e outros quesitos que são obrigatórios”, disse Gabriel de Paula, diretor administrativo da Liga das Escolas de Samba de Joinville.

 

Programação do Carnaval de Joinville

- 4/2 - Grito de Carnaval no MAJ

 

- 11/2 - Desfile das Escolas de Samba

18h: Concentração na Avenida Beira Rio

20h: Lavagem da Avenida pelo Afoxé Omilodê

22h: A.R.C.E.S. Fusão do Samba

23h: G.R.E.S. Unidos do Caldeirão

0h: Escola de Samba Príncipe do Samba

1h: G.R.E.S Unidos pela Diversidade

 

- 12/2 - Carnaval da Família

13h às 17h: Carnaval Infantil

13h às 17h: Rua do Lazer

13h às 17h: Pet Folia

17h às 20h: Encontro de Blocos

 

- 17/2 - Baile de Carnaval da Liga

- 19/2 - Baile de Carnaval Infantil da Liga

 

Conheça os enredos das Escolas de Samba de Joinville

- Escola de Samba Príncipe do Samba: “Uma vez Zelândia... Para sempre Fioca - A Dama da Passarela” - A escola homenageia este ano dona Zelândia Custódio da Costa, que chegou em Joinville aos cinco anos de idade, em 1951. Natural de Tijucas, antes de chegar em Joinville já havia morado em São Francisco do Sul. Ao fazer a homenagem, a Príncipes do Samba também relembra os tempos de Carnaval na Sociedade Kênia Clube e vivencia a importância da tradição do samba e etnia negra.

 

- G.R.E.S. Unidos do Caldeirão: O enredo deste ano da tradicional escola fundada na Zona Sul de Joinville tem como tema o ferro. “Universo presente na riqueza da Terra - o futuro a ti pertence”. Durante o desfile, será abordada a origem mitológica do ferro, sua história geral, seu preparo na siderurgia e suas aplicações no cotidiano das populações.

 

- A.R.C.E.S. Fusão do Samba: Em 2023, a escola revive três histórias já contadas na avenida Beira Rio em edições anteriores do Carnaval de Joinville. O público que prestigiar a folia vai se emocionar relembrando os enredos de “O Circo – a alegria chegou na cidade”, “Mestre Ernesto Bateria Nota 10” e “A consciência negra volta a sorrir. Valeu Zumbi”.

 

- G.R.E.S Unidos pela Diversidade: O enredo traz o significado de Oxumaré que possui características com grande afinidade e identificação com a diversidade. Simbolicamente. Oxumaré é representado com o arco-íris, pois suas sete cores simbolizam os sentidos da vida: Amor, Fé, Conhecimento, Razão, Lei, Saber e Geração. Conta a história que certa vez a chuva resolveu castigar a Terra, mas Oxumaré cortou o céu com seu punhal de prata e a fez parar. Desde então, toda vez que isso acontece, Oxumaré pode ser visto enfeitando o céu, sob a forma de sete cores.