A compositora, cantora e pesquisadora Ana Paula da Silva, com 26 anos de carreira artística, lançará o seu primeiro livro intitulado Alma na Voz e Mãos no Tambor. Mas antes, como contrapartida social, fará sessões de bate-papo com os joinvilenses.

O projeto, aprovado pelo mecenato do Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultura (Simdec), é dedicado a apresentar e mapear algumas práticas musicais da Baía da Babitonga. O livro deve ser lançado ainda neste segundo semestre.

 

 

Ana Paula estará na livraria O Sebo, no Caminho Curto, na Amorabi e também on-line, nos próximos dias 8, 10 e 12 de julho, para mostrar uma parte da sua pesquisa dedicada ao grupo Catumbi de Itapocu.

Será ainda uma oportunidade de apresentar as composições feitas a partir da fonte de inspiração humana e artística que é a cultura popular da Babitonga.

Os encontros serão divididos da seguinte forma: 20 minutos sobre a pesquisa, 25 minutos de apresentação das composições e 15 minutos para um bate-papo para perguntas e curiosidades. Toda a programação é gratuita.

“Como compositora e artista, a minha história de vida, minha criação musical, desde o primeiro álbum, teve forte influência da música afro-brasileira. O Catumbi de Itapocu despertou em mim o desejo de pesquisar, conhecer e receber o atravessamento desta maravilhosa prática e depois desaguar em um processo criativo, embebido desta manifestação. Observar e dar novos significados ao próprio jardim cultural, não muda o passado, mas ilumina o presente e favorece ações que reverberam e retornam para estas comunidades, como auto-afirmação e antídoto contra a invisibilidade, porque não há mais possibilidade de invisibilizar qualquer etnia e nenhum Outro”, destaca Ana Paula da Silva.

O grupo Catumbi de Itapocu

Poderia ser chamado de congada catarinense, folguedo ou dança dramática. A manifestação popular, realiza um ritual pela fé em Nossa Senhora do Rosário, praticado por afro-descendentes da comunidade de Itapocu, em Araquari.

O ritual é caracterizado por sua dança, canto e toque dos tambores, conduzido pelo Capitão, os Tamboreiros e os Dançantes.

Ele ocorre durante três dias com novenas, músicas, encenações, cortejos, missa, práticas católicas que, unidas ao ritual do grupo, se denomina Festa de Nossa Senhora do Rosário, finalizando com a coroação do Rei e Rainha.

É uma das manifestações culturais mais longevas de Santa Catarina e resiste desde 1854.

Serviço

Apresentação da pesquisa "Alma na Voz e Mãos no Tambor - Catumbi de Itapocu: Uma fonte de Criação Musical". Mestrado em Música – Processos Criativos, realizado na Udesc, em Florianópolis, durante 2018 e 2020.

Pesquisadora-Compositora: Ana Paula da Silva

Quando

8 de julho: Livraria O Sebo - 20h;
10 de julho: no Caminho Curto - 11h | Amorabi - 16h;
12 de julho: on-line via Youtube/anapauladasilva - 19h.

Toda a programação é gratuita. Mais informações em: www.anapauladasilva.com