Enquanto a vida de Joseph Gordon-Levitt ia ficando miserável por causa do pontapé no traseiro dado por Zooey Deschanel, Dudu Franco conjecturava que a sua existência também poderia mudar por causa de 500 Dias com Ela. Não só por causa da fossa do protagonista, mas também pelas ondulações alternativas que ajudaram a transformar o filme de 2009 em hit indie. Acabou que o músico joinvilense encontrou ali o som e o nome de seu novo projeto, 500diasdeverão (assim mesmo, tudo junto), deixando para trás seus dias de punk rock.

Veio o EP de estreia, em 2012, uma aventura solitária sobre amores (ir)realizados que ele executou com violão, ukelelê, escaleta, gaita e percussão suave. No ano seguinte, Dudu conheceu o baterista André Felipe, e de projeto solo o 500dias virou banda. No ano seguinte, a dupla lançou outro disco, “O Coração e a Cidade”, e com convidados, fizeram shows. Mas só até contratempos variados fazerem a banda parar por tempo indeterminado.

Esse tempo acabou em março de 2018, quando Dudu e André resolveram retomar os trabalhos, uma volta que culmina com o lançamento de “Marinheiro”, terceiro EP da 500diasdeverão. As faixas, acompanhadas de lyric videos, já se encontram no YouTube (AQUI), e os áudios desembarcam nas plataformas digitais (Deezer, Spotify, Apple e Google Play) nesta terça-feira (19).

É o primeiro gravado inteiramente em estúdio (o Rota 66), o que agregou qualidade sonora a esta nova fase da dupla. São quatro músicas – duas recentes, uma regravação do segundo EP e outra escrita pela paulista Nayara Konno - que exalam beleza e simplicidade.

Há poesia, há melancolia, há alegria tímida e há romantismo, desta vez mostrados por um prisma acústico mais robusto, vide “Fantasmas” e a faixa que dá nome ao disco. Impossível ainda não simpatizar pela paixão desajeitada presente em “Eu Não Sei Dançar” e “Peanuts”, esta, inspirada no melhor amigo do Snoopy.