Jaraguá do Sul possui muitas belezas naturais, mas o grande diferencial da nossa cidade com certeza são as pessoas. As etnias existentes aqui deixaram marcas ao longo da história que até hoje influenciam nosso dia a dia.

Para te ajudar a ficar conectado com os imigrantes de Jaraguá do Sul, montamos uma lista de lugares onde você pode conhecer mais daqueles que fazem a cidade ser o que é. Dá uma espiada:

Alemães - Sociedades germânicas

Os alemães são, com certeza, uma das etnias mais predominantes em Jaraguá. Inclusive, há bairros na cidade em que habitam majoritariamente pessoas de descendência alemã, trazendo influências gastronômicas, socioculturais. A língua é, indubitavelmente, característica importante na contribuição para o idioma português.

Foto Arquivo OCP Online
Jaraguá do Sul possui mais de 15 sociedades recreativas de tradições germânicas. Uma das mais famosas festas da cidade é a Schützenfest, também dedicada à cultura alemã. Sua nomenclatura significa em tradução livre, Festa dos Atiradores, sendo conhecida por reunir atiradores de vários lugares do mundo.
Clique aqui para conferir os endereços das sociedades germânicas de Jaraguá do Sul.

Italianos - Chiesetta Alpina

Depois dos alemães, os italianos são a etnia que mais influencia na formação da sociedade jaraguaense. Suas músicas, receitas gastronômicas, dialetos italianos, são alguns dos fatores que contribuem na integração da cultura brasileira.

Em dedicação a essa etnia tão significativa para Jaraguá do Sul, há um monumento com o objetivo de homenagear a contribuição dos italianos à cultura da cidade: a Chiesetta Alpina. Além da igreja, existe também o Círculo Italiano que promove noites gastronômicas e outras atividades típicas.

O Círculo Italiano fica localizado na Rua dos Imigrantes Italianos, nº 33, no bairro Vila Nova.

Húngaros - Igreja Santo Estêvão

O bairro Garibaldi é marcado pela imigração húngara. O idioma foi um dos primeiros traços que se perderam na nova terra. Segundo Sidnei Marcelo Lopes, autor de dois livros sobre os húngaros em Jaraguá do Sul, eles passaram a falar o Schwabish, um dialeto germânico. Algumas palavras húngaras persistiram, mas os falantes tornaram-se raros.

Foto: WeArt

Para um conhecimento mais profundo da cultura, existe a Associação Húngara de Jaraguá do Sul. A Igreja Santo Estêvão também desponta como um marco húngaro da cidade. Além disso, as igrejas Santa Cruz (1952), Santíssima Trindade (1926) e Luterana integram a Rota de Colonização Húngara de Jaraguá do Sul.

A Igreja Santo Estêvão está localizada na Rodovia municipal JGS-466, s/n, no bairro Garibaldi.

Negros - Moconevi

Se tratando de etnias, não se pode deixar de falar dos negros, afinal, são um grupo bastante influente na cidade. Em Jaraguá do Sul, algumas entidades trabalham em prol do fortalecimento das manifestações negras. O Moconevi, Movimento da Consciência Negra do Vale do Itapocu, criado em 2001, é um desses grupos.

Outro exemplo de local que homenageia os negros na cidade é o Centro de Artes e Esportes Unificados Mestre Manequinha, que recebe o nome de um dos grandes defensores da cultura afrodescendente. Recentemente, a população negra ganhou monumento no Centro de Jaraguá do Sul.

O monumento aos negros de Jaraguá do Sul fica na Praça 7 de Setembro, na Av. Getúlio Vargas, no Centro.

Poloneses - Associação da Cultura Polonesa de Jaraguá do Sul

Os poloneses foram a última etnia a instalar-se na cidade. A maior parte mudou-se de cidades como São Bento do Sul, Indaial e Corupá. Nos dias atuais, a Associação da Cultura Polonesa de Jaraguá do Sul é o foco de encontros dessa etnia.
Foto: Edward Kusztra
Nesse local, acontecem as reuniões com orações e cantos no idioma polonês. As vestimentas típicas são utilizadas em festas e a culinária é saboreada.
A Associação da Cultura Polonesa de Jaraguá do Sul fica na Rua Alvino Stein, nº 517, no bairro São Luís.
---

Leia também:

Por Fernanda Posca