Essa é uma história que já estou há um bom tempo pra compartilhar com vocês e só agora pintou tempo... Não fui o único a perceber o detalhe, claro, mas como isso ainda não caiu na mídia, tá valendo contar. :)
Já viu que tem um crucifixo na frente da Matriz São Sebastião? Pra quem não faz ideia do que tô falando, olha a foto:
crucifixo
Nele constam inscritas as palavras "Cristo", "caminho", "verdade" e "vida". Ele é de madeira, e tá lá há um tempão com sua mensagem, marcando presença junto a um dos velários da igreja.
Sou desses que caminham e ficam olhando pra tudo que tem de diferente na paisagem, então teve o dia que cheguei mais perto e reparei no detalhe... Fiquei cabreiro, e deu até um arrepio com a possibilidade da poesia.
"Cara, aquilo ali é um broto?"
milagrinho04
"Cara, não é que tem um broto no crucifixo?"
milagrinho02
"Cara, e não é que esse broto fica bem na palavra VIDA?"
milagrinho03
"PARA PARA PARA TUDO... Olha que milagrinho lindo, rapaz!" Na madeira morta, a vida na vida. :D
Fato lindo, convenhamos, pedi então pra jornalista Isabel Debatin fazer um artigo a respeito, segue o resultado:
Ao longo das últimas semanas a equipe do Por Acaso reparou em um fato que consideramos inusitado e de tamanha beleza que decidimos relatar para nossos leitores.
Conversamos então com o pároco Pe. Diomar Romaniv sobre o que ele teria a dizer sobre o fato, o qual afirmou “Muitas pessoas já me questionaram sobre a situação, mas independentemente do que ocorra ali, acredito que seja algo de normal que acontece na natureza. E de forma alguma mistificamos o fato.”
Mas para a jaraguaense e aposentada, Bernadete de Souza Cunha, o fato é mesmo inusitado e merece o destaque. Ela afirma que “Este é um local onde as pessoas enaltecem sua fé, quem sabe tudo isso tem a ver com essa beleza que a natureza pode nos proporcionar”.
Já o engenheiro agrônomo da Fundação Jaraguaense de Meio Ambiente (Fujama), César Humberto Rocha, explica que fatos como esse são comuns na natureza, e acontece devido a dispersão da semente que ocorre através das aves e do vento. “A semente foi parar ali de alguma forma, onde encontrou umidade e matéria orgânica suficiente para germinar, essa é a possibilidade mais provável nesse caso,” afirma Rocha.
Coincidência ou não, fica o registro de uma história um tanto quanto poética. 
...
Artigo: Ricardo Daniel Treis, com colaboração de Isabel Debatin.
Fotos: Ricardo Daniel Treis.