Unir diversos ingredientes até que eles formem uma massa homogênea, abrir com a ajuda do rolo, cortar nos formatos desejados e assar. Apesar de parecer algo simples, fazer biscoitos ou bolachas tem um significado muito especial na casa da advogada Francieli da Silva Vasconcelos. É nesta época do ano que as lembranças das madrugadas fazendo os doces, na companhia da mãe e vizinhas, voltam à mente da advogada. Esta mesma memória ela quer deixar marcada na vida dos filhos. Apesar de diversas vezes ao ano levar os filhos para a cozinha – seja para fazer um bolo simples ou testar novas receitas –, é no Natal que Francieli, João Pedro, de sete anos, e Ana Clara, seis anos, se reúnem na cozinha para dar forma aos doces. "Quando era criança, fazia com minha mãe e quis fazer a mesma coisa com eles para que justamente tivessem essa lembrança", conta a mãe que há cerca de três anos repete a tradição com os pequenos. Para a advogada, o ato significa muito mais do que fazer bolachas para o consumo. "Hoje em dia é tudo tão fácil: só ir ao mercado e comprar que está pronto. Queria que eles vissem que é diferente, que eles podem fazer. E também queria que eles tivessem essa lembrança de fazer algo com a mãe", diz.  Como têm uma rotina corrida, ela acredita também que essa é uma forma de estar mais presente na vida dos filhos. "Não é só no Natal, sempre tiramos um tempo para fazermos coisas diferentes na cozinha em família", conta.
Francieli da Silva Vasconcelos resolveu ensinar aos filhos a receita de bolachas de Natal. Além de resgatar lembranças, ela acredita que essa atitude fará diferença na vida dos pequenos | Foto Eduardo Montecino/OCP
Para deixar o processo ainda mais divertido, Francieli explica que comprou formas com símbolos do Natal e canetinhas com tinta comestível, além de caprichar no glacê e confeitos e deixar a imaginação das crianças fluir. "Eles enrolam a massa, cortam os biscoitos, mas a parte que mais gostam é enfeitar porque assim que acabam já comem", conta.  Como colocam a mão na massa, o trio já aproveita para fazer bolachas a mais para presentear os amigos. "Enfeitamos as bolachas, colocamos em pacotinhos e damos de presente para as avós, os professores, tias e até amiguinhos", lembra. Apesar da timidez, Ana Clara e João Pedro mostravam através das risadas a felicidade em ajudar a mãe na receita. Assim que a primeira remessa saiu do forno, os dois trataram de colorir e comer. Para a mãe, o importante é mostrar para os pequenos que junto com a tradição, que atravessa gerações de diversas famílias, estão ligados diversos valores. "Acho que é uma atitude simples que faz a diferença para eles. Além de resgatar algo que eu vivi na infância, é importante para aquilo que eles levarão para a vida deles", estima.

"Hoje em dia é tudo tão fácil: só ir ao mercado e comprar que está pronto. Queria que eles vissem que é diferente, que eles podem fazer. E também queria que eles tivessem essa lembrança de fazer algo com a mãe.

Francieli da Silva Vasconcelos.

 
Cada passo é compartilhado em família. A diferença é que ao invés dos glacês agora as crianças dão vazão à criatividade decorando as delícias com canetas de tintas comestíveis | Foto Eduardo Montecino/OCP
Receita 2 xícaras de farinha de trigo 1 xícara de amido de milho 200 gramas de manteiga 1 pitada de sal 1 xícara de açúcar Essência de baunilha (a gosto) Amido de milho para polvilhar Modo de fazer: Misture todos os ingredientes até conseguir uma massa homogênea. Deixe a massa descansar por duas horas. Polvilhe uma superfície com amido, abra a massa com um rolo liso até atingir a espessura de aproximadamente 1,5 cm. Pressione os marcadores na massa para formar as figuras. Asse em forno médio (180º) até os biscoitos ficarem dourados – cerca de 30 minutos. Decore os biscoitos com glacê, confeitos ou canetinhas com tinta comestível. LEIA TAMBÉM: - Confira dicas de receitas especiais para incrementar a ceia de Natal