O jaraguaense Guilherme Fernandes continua fazendo sucesso. Após brilhar na Malhação e na novela Deus Salve o Rei, ele conquistou nesta terça-feira (18) o prêmio de melhor ator na 38ª Edição do Troféu Gralha Azul.

Ele saiu vencedor devido a suas participações no espetáculo Joker, do Grupo Delírio Cia de Teatro. Para Guilherme, a sensação é de dever comprido, ainda mais que ele ficou afastado por três anos do teatro até a decisão de produzir o Joker.

"Foi importante para se reconectar com essa linguagem maravilhosa que é estar no palco, atuar de pertinho com o público e potencializar meu espírito", comenta.

O Troféu Gralha Azul é a premiação de teatro mais prestigiada do Sul do Brasil, premiando os destaques paranaenses. A realização aconteceu no Centro Cultural Teatro Guaíra, em Curitiba, no Paraná.

Premio Gralha Azul | Foto Divulgação

Este é o segundo prêmio de melhor ator que Guilherme ganha. O primeiro foi em 2014, com o Coquetel Overdose, onde ele fazia Charles Buckowski, um autor extremamente existencialista. Já dessa vez ele interpretou o Coringa, vilão dos quadrinhos.

Apesar das diferenças entre os dois personagens, os dois textos levam um ponto em comum para as atuações de Guilherme. Ambos roteiros tem questões voltadas sobre a vida e o comportamento humano.

"Isso revela um lugar que gosto, que acho importante e quero trocar com o público que vem me assistir", frisa.

Fernandes disse que não tem diferença de emoção em relação aos dois prêmios, apenas reforça e solidifica ainda mais sua carreira como autor. Ele também é escritor, diretor e produtor.

Além do jaraguaense, o Joker também ganhou como melhor texto original, com o diretor e escritor Edson Bueno. O espetáculo também concorreram em outras quatro categorias: melhor direção, melhor cenário, melhor iluminação e melhor figurino.

Planos para 2019

No próximo ano, Guilherme e seus parceiros darão continuidade ao espetáculo Joker e pretendem colocá-lo em cartaz em Jaraguá do Sul, Rio de Janeiro e Balneário Camboriú.

Guilherme na novela Deus Salve o Rei | Foto Divulgação

Outro ponto que está na meta deles é atuar em um projeto de longa metragem que eles pretendem rodar já no primeiro semestre.

"Estou esperando resposta de testes no Rio de Janeiro, onde estou residindo", relata.

Outro marco importante que está em sua agenda para 2019 é pessoal: o casamento com a jaraguaense Zaira Zimmermann da Silva, em Corupá, no mês de maio.

O começo no teatro

Guilherme começou com 10 anos por um motivo curioso: era gago e muito tímido. Sua professora era Mery Petty, na companhia jaraguaense de Teatro GATS, que fechou as portas em novembro de 2017.

Depois ele continuou fazendo teatro no Colégio Marista São Luís e ganhou seu primeiro prêmio no concurso de poesia da Scar (Sociedade Cultura Artística). Com 16 anos, Fernandes começou a fazer aula de interpretação para Cinema na Studio Escola de Joinville.

Guilherme no espetáculo Joker | Foto Divulgação

Quando completou 17 anos, Guilherme recebeu duas grandes notícias: passou para fazer cinema na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e ao mesmo tempo tinha a oportunidade de fazer a novela da Rede Globo Malhação, no Rio de Janeiro.

Ele escolheu a segunda opção e interpretou Patrick Delon na temporada de 2007. Nesse ano, participou da novela "Deus Salve o Rei". "Meu personagem era o chefe dos sentinelas na Pedreira de Argon no período em que o príncipe Afonso ficou preso", contou o ator.

Os pais do ator, um radialista e uma artista plástica, também chegaram a se apresentar pelo país com uma companhia de teatro que participavam quando jovens. De acordo com ele, o apoio da família foi fundamental para continuar na profissão.

 

Quer receber as notícias do Por Acaso no WhatsApp? Clique aqui