Que todos estamos cansados de ouvir falar sobre escândalos de corrupção na política, é verdade, mas falar sobre os pequenos atos de corrupção que acontecem todos os dias é muito importante.

Furar a fila, utilizar vagas destinadas a idosos e portadores de deficiência e não devolver o troco que recebeu a mais são alguns exemplos de atos ilícitos que são cometidos no cotidiano.

Na contramão do que geralmente se espera, a Gizele Cristina presenciou uma situação em Jaraguá do Sul que serve como inspiração para quem busca exemplos de honestidade.

Leia a história que ela compartilhou no Facebook:

Trabalho no CDI do hospital São José, e resolvi compartilhar um acontecimento dessa semana. Porque compartilhar aqui? Porque eu quis.
Na segunda feira, eu estava no caixa, precisava falar com minha colega e ela estava em uma ligação.
No mesmo momento chegou um paciente pra pagar o exame que ele tinha feito. Pedro (nome fictício), de 17 anos.
Quando ele chegou, falei a ele "pode sentar moço, ela já te atende". E ele meio tímido respondeu: obrigado moça, mas pra mim é meio complicado sentar.
Ok, ficou por isso, ele ali em pé, esperando pacientemente minha colega o atender. E assim ela fez, atendeu, fez a NF, recebeu o dinheiro, deu o troco ao menino e ele foi embora, mancando.
Pensei que ele estava com problema no joelho, olhei no sistema, ele havia feito uma tomografia de coluna lombar. Passados aproximadamente 10 minutos, o menino voltou, andando de uma forma estranha ainda. Com dor talvez, não sei.
Foi em direção da minha colega e disse "moça, você me deu o troco errado". Ela meio que não acreditando, porque é sempre muito correta, foi verificar. E realmente, havia dado R$ 1,00 a mais pra ele. E sim, ele veio devolver as 4 moedas de R$ 0,25.
Eu fiquei pasma, perplexa! O Pedro voltou no sol, mancando, pra devolver 1 real que não era dele. Hoje é quarta feira, o acontecido foi segunda. E desde então, não paro de pensar nessa atitude exemplar do Pedro.
Gostaria de encerrar meu texto com aquela frase "cliché": "Pedro, pessoas como você me fazem acreditar no futuro da humanidade".
Mas eu não posso usar essa frase, eu não posso porque sinceramente, eu não acredito mais no futuro da humanidade. Infelizmente Pedro, você é minoria. A sua atitude é rara nos dias de hoje, no Brasil de hoje.
Alguns podem pensar: Ah! Devolveu porque era 1 real, se fosse mais ele não devolveria. E isso reforça ainda mais a minha crença atual de que o ser humano não deu certo.
Deus (sim, ele faz parte das minhas crenças tbm) até tentou, e fisiologicamente somos perfeitos. Somos uma máquina que trabalha perfeitamente durante 24h.
Uma pena uma máquina tão perfeita, ser corrompida por questões culturais, pelo "jeitinho brasileiro de ser". Enfim Pedro, eu torço para que você jamais perca essa honestidade.
Como não falei isso pra ele pessoalmente, coloquei um bilhetinho junto ao exame que ele irá retirar essa semana. Desejei melhoras ao seu problema de coluna, e pedi pra ele passar adiante essa honestidade, essa atitude exemplar.
E à minha colega de trabalho, eu sei que não vou te prejudicar por falar aqui que vc deu o troco errado, a sua chefia sabe da sua competência e "erros" como esse, acontecem todos os dias, em todos os lugares. Pena que não é sempre com o Pedro.

Leia também: