Há alguns dias, quem frequenta o Centro Comercial da Expoville percebe que o sol e a chuva entram com outros tons naquele local. O céu ali ficou colorido, e ficará ainda mais quando for finalizada a colocação dos cerca de 230 guarda-sóis e guarda-chuvas que recobrem o vão central do telhado. O resultado é de uma beleza incomum e não é exagero chamá-lo de instalação artística.

“Primeiro, a ideia era ter algo diferente para atrair o público para o centro comercial e movimentar as lojas de lembranças, além de resgatar o ponto turístico e de encontro dos joinvilenses”, explica Conceição Junckes, dona de uma agência de turismo no empreendimento, cujos condôminos arcaram com os custos de aproximadamente R$ 6 mil.

Foi uma solução mais barata e criativa para resolver a problemática do chão molhado (pela chuva) e das plantas queimadas (pelo sol) que a abertura superior sempre trouxe.

“Como temos vários apelidos de cidade da chuva, copiamos a ideia de uma cidade de Portugal. A ideia é deixa-los permanentemente e fazer a manutenção, criando assim a Galeria dos Guarda-chuvas”, diz Conceição.

A inauguração oficial da “obra” está marcada para o dia 13 de novembro, na abertura da Festa das Flores. Na ocasião, o artista Humberto Soares apresentará a peça “Cidade da Chuva”, mesmo título de um livro publicado por ele em 2014.