Uma eventual falência da Oi pode deixar sem sinal os serviços de telecomunicações em 2.051 municípios brasileiros da noite para o dia. O número, que representa 37% do total de cidades do país, abrange locais onde só a Oi opera em telefonia fixa, celular ou banda larga e áreas atendidas por outras teles e provedores que usam apenas a infraestrutura da empresa carioca.

Esse apagão nos serviços de telefonia e internet (voz e dados) pode afetar 46 milhões de linhas de celular, 14 milhões de telefones fixos e cinco milhões de pontos de acesso à banda larga. Os números constam de documento do governo, ao qual O GLOBO teve acesso, que retrata a preocupação com a companhia carioca, a maior concessionária do país.

O governo federal montou grupo de trabalho para tentar buscar solução de mercado e evitar a falência da Oi, hipótese prevista em lei caso as negociações com os credores fracassem. Dos R$ 64 bilhões devidos, R$ 11 bilhões são para a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e R$ 20 bilhões para bancos públicos federais.