Buscando melhorar sua imagem entre os jovens e entre os "gamers", o Exército Brasileiro aprovou um projeto para a criação de um jogo de tiro em primeira pessoa (FPS) nacional. O Exército afirmou que a diretriz de implantação do projeto já foi assinada e será publicada oportunamente no Boletim do Exército. As informações são do Metropóles.

Ainda não há detalhes de quando o jogo, provisoriamente chamado “Missão verde-oliva”, será lançado. O projeto pretende criar um jogo online em que os jogadores combatem um invasor fictício, no ano de 2025.

A previsão inicial era que o game fosse lançado em 2021 e seguisse o estilo de franquias renomadas, como Counter Strike, da americana Valve, Warface, da ucraniana Blackwood Studios, e Call of Duty, da americana Activision.

Temendo que a produção fosse vista como "incentivo à violência", o chefe do Estado Maior do Exército, general Marcos Antonio Amaro dos Santos, recomendou em um despacho do ano passado que o jogo “não deverá mostrar sangue em demasia para evitar a ideia de violência exagerada”.

O militar também solicitou que a produção não mostrasse cenas com “potencial para gerar desgaste da imagem ou crise institucional” - o que incluiria usar estados ou grupos reais como inimigos, para evitar incidentes diplomáticos.

O projeto foi instituído por uma portaria de 30 de abril de 2020. Em junho, uma portaria determinou a produção de um estudo de viabilidade em até três meses. O estudo, no entanto, foi concluído somente este ano e enviado para avaliação para a direção-geral do Exército.