Formar um leitor (nos dias de hoje) não é uma tarefa muito fácil com o bombardeio de informações que se recebe, o tempo todo, de todos os lugares. Mas formar um leitor também não é impossível. Com criatividade e atividades diferenciadas fica mais atrativo fazer com que crianças e jovens aprendam a desenvolver o gosto pela leitura e pela escrita.
Temas ligados ao cotidiano, valores e outros assuntos são trabalhados ao longo do ano na Escola Internacional de Joinville, e pela primeira vez os livros de fábulas do 6º ano (“Fabulando por aí) e de contos do 8º ano (“Era uma vez...”) foram publicados por uma editora, a Giostri, de São Paulo.

Segundo a professora Vanessa Heloisa de Melo, um dos ensinamentos ao produzir um texto é a valorização dos talentos por meio da afabilidade e compreensão.

“A fábula é uma mensagem por meio de metáforas. Ao construir uma fábula os estudantes escolhem animais que representam vícios e virtudes. A partir disso, há uma ligação com a vida real e o sentimento deles. Na parte de contos, os escritores desenvolvem a interpretação e um olhar mais crítico perante as coisas.”

Para instigar e despertar ainda mais a importância da literatura, Alex Giostri, cineasta, roteirista e editor da Giostri Editora esteve na escola para bater um papo com pais e alunos. Além de falar sobre o processo literário, Alex apresentou o projeto oficina literária - A Formação do EU, que é realizado nas dependências da Penitenciária Industrial de Joinville - SC, onde coordena toda a ação, que privilegia apenados e constrói uma nova maneira de pensar e conviver com a vida em cárcere.

“O mais importante desse trabalho desenvolvido na escola está associado ao protagonismo das crianças e jovens. Colocá-las para escrever promove outra reflexão, pois elas estão escrevendo as suas próprias histórias. Desta forma, acredito que estamos aproximando muito mais os jovens dos livros”, completa Giostri.