Na última sexta-feira, 20, um garoto de apenas 14 anos abriu fogo contra os colegas em sala de aula, em Goiás. O ataque deixou dois mortos e quatro feridos. A tragédia que comoveu o país deixou todos sem entender quais seriam as motivações de uma criança para fazer algo assim.

O garoto que efetuou os disparos afirma que atentou contra os colegas porque era vítima de bullying. Segundo ele, outros alunos realizavam brincadeiras e zombavam diariamente do garoto. As queixas do menino atirador são endossadas por relatos de amigos que testemunharam as investidas maliciosas.

Depois do ataque, a internet foi tomada por debates sobre a veracidade de que o ataque teria sido motivado apenas porque o menino sofria bullying dos colegas. Mesmo que ele tivesse outras "pendências", é inegável que a forma como ele era tratado pelos outros ajudou a  criar uma atmosfera de medo e rejeição.

Por Bullying se entende a prática de violência física, moral ou psicológica de maneira constante contra uma pessoa. Essas situações podem acontecer em muitos aspectos da nossa vida, como no trabalho por exemplo, mas é mais comum no ambiente escolar, entre crianças e adolescentes.

Uma criança pode sofrer bullying por diversos motivos, características como o peso, o tom da pele ou alguma deficiência são os mais comuns. Da mesma maneira, ela pode praticar o bullying por diversos motivos: insegurança, sentimento de poder e até "inspirada" por  violências que presencia em casa.

Para te ajudar a identificar possíveis sinais de que o seu filho ou alguma criança do seu convívio está sofrendo bullying, separamos alguns dos comportamentos alarmantes que você deve ficar de olho:

  • A criança aparece com hematomas ou machucados e não quer falar sobre como conseguiu tais ferimentos;
  • A criança tem suas roupas rasgadas com frequência ou tem seus materiais escolares destruídos;
  • A criança evita a companhia dos colegas e prefere ficar sozinha ou com os adultos;
  • A criança apresenta medo ou receio de ir à escola;
  • A criança perde o foco nos estudos e apresenta resultados abaixo da média;
  • A criança não é convidada para atividades dos colegas, como festinhas de aniversário;
  • A criança apresenta sinais de tristeza e solidão que podem evoluir para uma depressão;
  • A criança começa a dizer que não queria estar viva ou que os outros estariam melhor se ela não existisse.

Estes são apenas alguns dos muitos sinais que podem revelar que os seus filhos, irmãos, sobrinhos ou primos pequenos estejam sofrendo bullying no ambiente escolar.

Por isso, é essencial que você como um adulto responsável abra um canal de diálogo baseado na honestidade e na sinceridade com as crianças.

Somente dessa maneira, elas se sentirão seguras em te procurar para relatar um possível abuso, seja ele de outras crianças ou de outros adultos.

Da mesma maneira, é preciso ficar atento ao fato de que o seu filho pode ser o autor das agressões e isso exige tanto ou mais cuidados ainda. Por isso, o melhor caminho é sempre manter o diálogo aberto com os pequenos.

---
Fonte: Família