Contrariando as opiniões de médicos e nutricionistas, duas professoras de ioga põem o consumo de cerveja na lista de tarefas para manter uma vida saudável. Emily e Jhula criaram o conceito de BierYoga (ou BeerYoga, em inglês) na Alemanha e, agora, levam a ideia à Austrália. Para elas, os níveis mais altos de consciência são alcançados pela união entre a filosofia do ioga e o prazer de beber.
As criadoras consideram a bebida e a prática como terapias milenares para o corpo, a mente e a alma. De acordo com o site da empresa, o prazer de beber cerveja e a consciência do ioga se complementam, e criam uma experiência revigorante. Jhula viu a combinação, pela primeira vez, no Burning Man, um festival anual realizado no deserto de Nevada, nos Estados Unidos, e decidiu investir na ideia.
Modalidade que une ioga e cerveja tem dividido opiniões
Modalidade que une ioga e cerveja tem dividido opiniões
A aula com duração de uma hora mistura risos e piadas sobre a paz interior e as alegrias da cerveja aos movimentos sincronizados do ioga. O valor é de cinco euros, cerca de R$ 17. Por mais seis euros — em torno de R$ 20 — são compradas duas cervejas para beber na aula.
Se ficou curioso para experimentar o BierYoga, você terá que esperar. Ainda não há mestres de ioga por aqui para orientar a prática.
O médico Rodrigo Freitas, especialista em medicina esportiva, do Rio de Janeiro, afirma que o ioga necessita de consciência muscular, situação oposta ao consumo de bebidas alcoólicas. Segundo ele, o processamento de informações e habilidades psicomotoras é prejudicado com a ingestão de álcool, e a pessoa perde precisão, equilíbrio e coordenação.
Especialistas desaconselham a prática do BierYoga
Especialistas desaconselham a prática do BierYoga
Ele considera compreensível o uso da bebida para fins de meditação, mas de forma extremamente moderada. Para Freitas, a cerveja pode funcionar como um meio na busca pelo estado de consciência mais sublime. Mas, para a prática do ioga, o consumo não é recomendado. "A atividade pode gerar lesões e fraturas sérias. Os exercícios e as posições feitos de forma errada, devido ao consumo de bebida alcoólica e a desatenção com os movimentos, podem trazer consequências graves", explica.
Professora de ioga desde 2005, Mônica Costa acredita que as duas filosofias não devem ser trabalhadas juntas. Ela também destaca que a prática do ioga necessita de equilíbrio e concentração, fatores que são prejudicados com o consumo de bebidas alcoólicas. Ela estuda as técnicas do ioga há mais de dez anos e, mesmo assim, desconhece qualquer benefício que possa ser trazido pela inovação.
Fonte: Extra