Migrantes” já pode ser considerado um clássico do teatro joinvilense. Não apenas por sua durabilidade – completou dez anos em 2017 e está perto de bater as 100 apresentações, vistas por mais de 15 mil pessoas -, mas também pelo fio de memória e história da cidade que puxa ao longo de seu texto.

É, então, chegada a hora de comemorar de novo, com duas sessões gratuitas no galpão da Ajote nesta quinta (17) e sexta (18), às 19h30. Com recursos do Simdec, a Dionisos Teatro fará um total de dez apresentações da peça, para alunos da cidade e o público em geral.

A célula original de “Migrantes” surgiu no laboratório de história oral da Univille. As entrevistas captadas deram vazão ao texto pontilhado por vivências reais de pessoas que chegaram dos mais variados lugares a Joinville nos anos 70 atrás de emprego na indústria, que estava em franca expansão.

Os sonhos de recomeçar uma vida com segurança e conforto são amarrados pela jornada de Nelson e Neusa, que se conhecem por meio de um programa de rádio e resolvem tentar a sorte longe de casa.

Neste momento, o espetáculo trata não só de histórias pessoais, mas também da própria identidade de Joinville.