Maria Vanda Garcia Pereira, de 73 anos, perdeu o contato com a família em 1962. E no dia 11 de dezembro, 56 anos depois, ela conseguiu rever as irmãs mais velhas, Doraci Garcia, de 84 anos e Terezinha Garcia, de 82 anos.

Maria mora em Carinhanha, na Bahia, enquanto Doraci é de Águas Mornas e Terezinha de Palhoça, ambas cidades da Grande Florianópolis.

O reencontro aconteceu na rodoviária Rita Maria, em Florianópolis. Após a emoção de ver as duas irmãs, ela conseguiu reencontrar outros dois irmãos, um que vive em Palhoça e outro que reside no Paraná. "De agora em diante vamos caprichar para não perder o contato", relata Maria.

Foto Arquivo Pessoal

Enquanto os país se mudaram para o Paraná, Doraci e Terezinha ficaram em Santa Catarina porque já eram casadas. No Paraná, Maria conheceu um rapaz, com quem se casou e se mudou para Bahia. Depois, as irmãs até tentaram se comunicar por cartas, que nunca chegaram.

Após muitas tentativas, a família conseguiu descobrir o paradeiro de Maria Vanda por meio de um site do Poder Judiciário.

"O nome dela e do marido apareciam em um processo com pedido de guarda de uma neta, pois a filha dela havia morrido", relata a sobrinha neta, Greisi Silva, de 34 anos.

Após anunciarem em uma rádio e um site de Carinhanha, o dono de um mercado da cidade baiana entrou em contato com Greisi.

E foi no dia 9 de março de 2018, que Maria Vanda e Doraci conseguiram fazer o primeiro contato por telefone  "Depois passamos a nos comunicar pelas redes sociais também", conta Doraci.

Desde o primeiro contato até o reencontro pessoalmente foram meses de muita angustia para as duas, que esperaram ansiosa para este dia chegasse.

Além de Doraci e Terezinha, Maria Vanda tinha outros seis irmãos. Dois deles e os pais já faleceram.  Ela está hospedada na casa da Doraci, onde vai ficar um mês. Neste domingo (16), uma reunião foi realizada com mais de 100 pessoas da família.

Fonte G1

Quer receber as notícias no WhatsApp?