Foto: Karina Oliveira
Foto: Karina Oliveira

Representantes da força e sensibilidade feminina, o duo Napkin, formado por Kimberly Neves e Natana Alvarenga, se prepara para o lançamento do primeiro videoclipe do álbum “I.NN.PAK” (2019).

A faixa escolhida, “Soul on Fire”, marca também a primeira colaboração do duo, pois foi composta em parceria com a DJ e produtora narrow-j.

“Já conhecíamos e admirávamos o trabalho da narrow-j e finalmente convidá-la para esta collab nos deixou empolgadas demais. Sabíamos que seria uma música forte em vários sentidos. Ao perceber o que tínhamos em mãos, decidimos por ser uma música 100% feita por mulheres, para darmos mais visibilidade ainda à causa”, comenta Natana Alvarenga, vocalista e guitarrista do duo.

O clipe, que foi lançado nesta quinta-feira (6) no canal do YouTube da Napkin, contou com uma equipe técnica majoritariamente feminina, com destaque para Karina Oliveira, que faz sua estreia como diretora.

“Soul on Fire” é uma obra inspirada em outra: a música começou a ser escrita pelo trio despretensiosamente, em 2017, tendo como referência o filme “O Quarto de Jack”. No filme, a protagonista é vítima de sequestro, confinamento e estupro por anos.

A composição, no entanto, ficou engavetada até 2019 e voltou à tona no momento em que a Napkin começava a se preparar para a gravação do seu álbum de estreia, “I.NN.PAK”, lançado em outubro do mesmo ano.

Foto: Debora Mattos

O momento para o lançamento da faixa (que traz forte influência das vertentes do trap e future bass, provenientes da colaboração com narrow-j), não poderia ser melhor, visto que o álbum marcou o início de uma nova fase, com sonoridades mais eletrônicas para o duo.

"Alma em Chamas" (na tradução para o português) fala sobre a dificuldade em superar um trauma e a luta para seguir em frente, mesmo quando há uma libertação.

O intuito do trio é trazer conscientização sobre o tema e dar voz a milhares de mulheres que sofrem, ou já sofreram, qualquer tipo de abuso, seja físico ou verbal.

"O que queremos trazer à tona é como o tema está presente no dia a dia de todas as mulheres, desde a nossa fase de crescimento até a vida adulta. Infelizmente, como mulheres, pelo menos em algum estágio das nossas vidas já experienciamos algum tipo de abuso ou opressão. Em algum momento já nos sentimos invadidas, desrespeitadas e abusadas, muitas vezes por conta da normalidade imposta pela sociedade machista que acaba nos fazendo acreditar que não temos direito a um amparo", desabafa narrow-j.

Confira o clipe

Com informações da assessoria de imprensa

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul