A greve dos bancários teve início nesta terça-feira (6), como já estava previsto pelos sindicatos em todo o Brasil, e a adesão foi significativa em Jaraguá do Sul, com 80% das agências paradas.

Segundo o presidente do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários em Jaraguá do Sul e região, Odilon Fernandes, neste primeiro dia os bancários de todas as agências privadas (Itaú, Bradesco, Santander, Banrisul, HSBC) do município aderiram à greve. Apenas as agências públicas Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil do Centro estão com atendimento parcial. "A tendência é que a greve tome proporção ainda maior depois do feriado", comenta Fernandes.

Então o que vai estar funcionando? - Estarão funcionando normalmente os caixas eletrônicos de todas as agências, para efetuar pagamentos, depósitos, transferências e outros serviços. Além disso, os pagamentos de contas podem ser realizados nas lotéricas, internet banking (computadores e dispositivos móveis) e qualquer outro correspondente bancário.

Sobre a greve

A categoria rejeitou a proposta apresentada pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), em assembleia na quinta-feira (1º). A proposta da Fenaban foi apresentada no dia 29 e oferece aos bancários reajuste de 6,5% no salário e nos auxílios refeição, alimentação, creche, e abono de R$ 3 mil, além de participação nos lucros e resultados (PLR). Segundo a Contraf, a proposta da entidade patronal não cobre a inflação do período, projetada em 9,57% para agosto deste ano, e representa perdas de 2,8% para a categoria.

Propostas

Os Bancários querem proposta com aumento real nos salários, PLR, piso e vales, além de melhorias nas condições de trabalho, querem o fim das metas abusivas, da sobrecarga de trabalho, mais empregos, segurança e igualdade de oportunidades na ascensão. Veja a lista das principais reivindicações:

- Reajuste salarial de 14,78% que corresponde a reposição da inflação (9,57%) mais 5% de aumento real.

- PLR: 3 salários mais (R$ 8.317,90).
- Piso: (R$ 3.940,24 equivalente ao salário mínimo do Dieese em valores de junho último).
- Vale alimentação no valor de (R$ 880 ao mês valor do salário mínimo).
- Vale refeição no valor de (R$ 880) ao mês.
- 13ª cesta e auxílio-creche/babá no valor de (R$ 880) ao mês.
- Melhores condições de trabalho com o fim das metas abusivas e do assédio moral que adoecem os bancários.
- Emprego: fim das demissões, mais contratações, fim da rotatividade e combate às terceirizações diante dos riscos de aprovação do PLC 30/15 no Senado Federal, além da ratificação da Convenção 158 da OIT, que coíbe dispensas imotivadas.
- Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS): para todos os bancários.
- Auxílio-educação: pagamento para graduação e pós.
- Prevenção contra assaltos e sequestros: permanência de dois vigilantes por andar nas agências e pontos de serviços bancários, conforme legislação.
- Instalação de portas giratórias com detector de metais na entrada das áreas de autoatendimento e biombos nos caixas.
- Abertura e fechamento remoto das agências, fim da guarda das chaves por funcionários.
- Fim às discriminações nos salários e na ascensão profissional de mulheres, negros, gays, lésbicas, transexuais e pessoas com deficiência (PCDs).

A última rodada de negociação com a Fenaban foi no dia 30 de agosto e até o momento não foi marcada uma nova rodada.
Fonte: SEEB Jaraguá do Sul e região
Foto: Arquivo/Gabrielle Figueiredo