A história de convivência e amizade entre o primeiro leão branco macho nascido no Brasil, Mombassa, e a cachorra Belinha é uma das grandes atrações do momento no Beto Carrero World, em Penha.

Com apenas um ano de idade, o felino conta atualmente com a companhia da cadelinha da raça Rhodesian Ridgeback para não se sentir sozinho. “Eles são companheiros, se divertem e se respeitam. É bonito de ver”, relata a bióloga do parque de diversões, Katia Cassaro.

Mombassa começou a conviver com Belinha quando tinha apenas quatro meses. Recém-nascido, o leão precisou ser transferido para a creche de animais do Beto Carrero World para receber atenção especial. “A mãe não dispendeu os cuidados necessários para sua criação, e nos dois primeiros meses o filhote recebeu mamadeiras de duas em duas horas, controle de temperatura, higienização, dentre outros”, lembra Katia.

A bióloga explica que a boa convivência entre ambos só foi possível porque os leões são os únicos felinos que vivem em grupo. “A Belinha ajudou a desenvolver o cognitivo do Mombassa, estimulando-o a se exercitar e lidar com um outro animal”, afirma.

Atualmente, por ter crescido e estar mais forte, o felino vive em um espaço maior, onde se exercita e toma banhos de sol. “Nessa fase, os filhotes interagem muito com a mãe e os irmãos, principalmente os leões que são animais de hábitos gregários. Por isso, a Belinha passou a ser a sua parceira perfeita”.

Nova etapa na vida de Mombassa

De acordo com Kátia, em breve será iniciado o processo de adaptação do Mombassa com uma leoa fêmea, a Kênia, etapa que exigirá uma série de cuidados. O leão passará por fases diferentes que lhe permitirão ter contato visual e olfativo com a fêmea, de forma gradativa. “Quando os leões não apresentarem sinais de comportamentos agressivos, poderão dividir o mesmo ambiente”.

*Com informações da assessoria de imprensa

Quer receber as notícias no WhatsApp?