O orgulho em pendurar no peito a medalha pelo tiro que deu na 29ª Schützenfest contagiou toda a família. Aos 10 anos, João Pedro Duarte provou que a pontaria continua boa: assim como fez em 2016, quando praticou a modalidade pela primeira vez, deu bons tiros e garantiu mais uma medalha para levar para casa. A família Duarte, assim como tantas outras, tirou o dia para passear pelo Parque Municipal de Eventos e aproveitar todas as atrações da Festa dos Atiradores. Foi sob os olhares atentos do pai, Christian Duarte, da mãe, Lilian Duarte, e do avô, Miguel, que o garoto testou a pontaria. "Na hora de atirar tremi um pouco, mas achei muito legal", conta o garoto, já feliz com a segunda medalha para a coleção. Para a mãe, que é professora, a festa se torna uma opção divertida e tranquila para toda a família. "Viemos há alguns anos, sempre toda a família, para comer a tradicional batata recheada e dar uns tirinhos também. Esse ano continua tudo bem organizado e tranquilo para passear", disse. Durante a Schützen, quem também aproveitou para testar a pontaria foi a jaraguaense Gabriela Piotto, de nove anos. O tiro 10,8 garantiu uma medalha para a menina, que também recebeu o convite para participar de uma Sociedade de Tiro. "É gostoso participar porque a gente percebe que a festa voltou a ser familiar e tem diversão para todos", disse o pai dela, Claudio Piotto.
A família Engler, de São Bento do Sul, participou pela primeira vez da Festa dos Atiradores e o pequeno Arthur, de seis anos, mostrou ser bom na mira no estande de tiro | Foto Eduardo Montecino/OCP
Mas não é só de jaraguaenses que é formado o público da Schützen. Muitos moradores da região aproveitam para conhecer a festividade, tanto é que a fama dela chegou a São Bento do Sul, e a família da psicóloga Daiana Schützler reservou o feriado para conhecer a festividade. "Achamos tudo muito legal. O ambiente é bem familiar e a culinária uma delícia, sem contar que as atrações são muito boas, como o tiro que para nós foi uma coisa diferente", conta. Ela, ao lado dos filhos Arthur, seis anos, e Thomas, de oito meses, e o marido Eduardo Engler, passou o dia desfrutando a gastronomia, acompanhando as apresentações musicais e de dança folclórica, além de passar pelos estantes de tiro.  
Natural da Alemanha, Walter Teriet e a mulher, Tereza, aproveitaram o dia para curtir a Schützenfest e, de quebra, fizeram amizade com Germano Pavanello | Foto Eduardo Montecino/OCP
Casal aproveitou o dia ao lado de amigos Já que a festa celebra os costumes germânicos, nada melhor que um "alemão original" para dizer o que pensa da Schützenfest. Natural da Alemanha e morando em Jaraguá do Sul há cerca de 25 anos, Walter Teriet é um velho conhecido da festividade. Reservou o feriado para passar o dia com a mulher, Tereza Teriet, no Parque Municipal de Eventos e, como ele mesmo garantiu, "foi pura alegria". "A cada ano ela está melhor e dá para confundir as cantorias e apresentações com as da Alemanha, sim. Às vezes até a gente fica em dúvida se é de lá ou não, uma autêntica festa para celebrar", diz. O casal, que costuma frequentar a festa com familiares e amigos, teve a grata surpresa de conhecer novas pessoas. ---- LEIA MAIS:29ª Schützenfest de Jaraguá do Sul abre espaço para a inclusão - Gastronomia apresenta pratos típicos e muitas delícias aos visitantes da Schützenfest