O escritor Alcides Buss lança neste sábado (26), às 10h, no Museu de Arte de Joinville (MAJ), “Em Nome da Poesia”, seu 25º livro. Ele estará à venda por R$ 40. É um presente à cidade onde ele mais experienciou o fazer cultural - desde o dia em que assumiu as rédeas do setor no governo de Pedro Ivo Campos, nos anos 70. A promoção é da Associação das Letras de Joinville.

Fatos marcantes da vida do poeta e de pessoas que fizeram parte de sua movimentada trajetória, desde a infância, permeiam a obra. Alcides Buss está ali em mais de duas centenas de textos curtos e minuciosos relatados na terceira pessoa, entre o início dos anos 1950 até 2016.

“É uma narrativa quase memória, quase ficção, que remete à ideia de diário. Uma voz acima das circunstâncias de um autor”, sintetiza o escritor sobre sua mais recente criação. Tal olhar fica evidente na capa do livro, que não traz o nome do autor.

O título de cada texto informa o local e o ano do acontecimento. “Joinville, 1966” destaca, por exemplo, quando Alcides Buss começou a escrever poemas, “numa espécie de sacrifício prazeroso, com dificuldade para alinhavar ideias, ritmos e sonoridades. Escrevia-os e guardava-os para um esquecimento provisório”.

Um verbete no Wikipédia dedicado a Alcides Buss dá uma ideia da grandeza do poeta para a cultura brasileira, e ainda mais para a cidade que volta a recebê-lo. O espaço lembra que “são marcos da época de Joinville a criação da, hoje tradicional, Feira de Arte e Artesanato, a implantação do Museu de Arte, a realização de concursos de jardins nas residências e fábricas, e a instalação da Escola de Dança, semente do que se transformou no maior festival de dança da América Latina. No mesmo período, foi também editor da revista literária Cordão”.

Foto e texto: Albertina Camilo, divulgação.