A "novela mexicana" da BR-280 finalmente teve um capítulo encerrado nesta segunda-feira (23), com a inauguração e liberação do trânsito no elevado do trecho urbano da rodovia, no começo da tarde. A descrição inusitada da longa saga da rodovia federal, cuja duplicação e ampliação é aguardada pela região há mais de duas décadas, foi dada pelo prefeito Luiz Antônio Chiodini (PP).

"A comunidade de toda a região Norte de Santa Catarina esperava por isso. O grande medo que tínhamos era que esse elevado se tornasse mais um capítulo do que tanto temos aqui e se arrastasse por anos sem ser inaugurado", afirma.

Com a obra, o trânsito urbano de Guaramirim e o trânsito da BR-280 devem ser separados, com o tráfego urbano se atendo ao trevo sob o viaduto enquanto o trânsito da rodovia "vai passar reto" pela região. Ao todo, o trecho urbano da 280, cruzando Guaramirim, teve empenhados mais R$ 180 milhões para a duplicação e as obras especiais da BR-280.

Além do viaduto inaugurado nesta segunda-feira (23) os 9,49 quilômetros de estrada incluem serviços como a ponte sobre o Rio Itapocuzinho, duas passagens superiores para veículos, viaduto sobre Linha Férrea, viaduto Guamiranga, três passarelas de pedestres, melhorias na pavimentação, drenagem e sinalização. O prazo para conclusão é estimado em 24 meses. Segundo o secretário de Estado da Infraestrutura, Thiago Vieira, as obras das últimas sete obras de arte especiais estão liberados e três delas já estão em execução.

Foto: Fabio Junkes

Vieira destacou a obra como um exemplo do foco do governo estadual em obras estruturantes. "Essa é a maior dentre as obras atuais de infraestrutura do Estado, uma obra que teve mais de R$ 180 milhões investidos. São obras essenciais para quem vive e tem que passar pela a região. Só pensando na economia ela já se justificaria", destaca o secretário.

No entanto, ele destaca que além da importância para a logística e a economia regional, o elevado é uma também importante para a preservação de vidas. Somente em 2020, foram 41 mortes na BR-280, várias delas no trecho contemplado pelo elevado, número que deve ser reduzido expressivamente com a separação entre o trânsito urbano e rodoviário.

O presidente da Associação Empresarial de Guaramirim (Aciag) Adilson Demate, destaca a importância para toda a região. "Além de desafogar o trânsito, esse viaduto nos dá uma vantagem na questão da mobilidade, o que nos ajuda a atrair empresas para se instalarem na nossa região e a movimentar a nossa economia", frisa.

Longa saga

Composto pelo segmento entre o entroncamento com a SC-108 (Rodovia do Arroz) e o limite de Guaramirim e Jaraguá do Sul, na Ponte do Portal, o trecho urbano da BR-280 é uma novela que se prolonga por mais de duas décadas, entre licitações, renegociações e obras reiniciadas e pausadas.

O deputado estadual Vicente Caropreso (PSDB) ressalta que o desafio da BR-280 era uma questão que já se mostrava presente quando foi eleito deputado federal em 1998. "Desde que eu fui eleito deputado federal em 98 ela é motivo de preocupação nossa, é uma via de acesso entre duas cidades muito importantes e um entroncamento entre várias rodovias", explica.

Em 2014, o trecho foi estadualizado, mas as obras tiveram pouco avanço até ser parada sem explicação em 2017. "Muita coisa pequena teve que ser resolvida, tinha coisa que não se acredita, para se ter uma obra integrada com toda a infraestrutura aqui", explica Caropreso, agradecendo o papel das prefeituras locais em não apenas viabilizar mas em fazer a mobilização para acelerar o trabalho do Estado e da União quanto à rodovia.

O presidente da Associação de Jaraguá do Sul (Acijs), Luís Huffenussler Leigue, frisa que a obra já traz ganhos a curto prazo, mas a longo prazo se fazem essenciais as obras da ponte do portal e do viaduto do Mannes, sem as quais não se resolvem os problemas de afogamento do trânsito no acesso à Jaraguá do Sul. "Não é um trabalho que nasceu ontem e temos ainda muito o que fazer. Temos que lembrar da priorização de recursos para essas obras de mobilidade para que possam ser feitas com mais agilidade", ressalta.

O viaduto não é o fim da saga da 280, no entanto. Além das obras de arte especiais não concluídas, ainda há o andamento lento das partes federais da rodovia, que compõe o acesso a São Francisco do Sul. Na última semana, o governo do Estado negociou com o governo Federal a aplicação de R$ 50 milhões dos cofres estaduais para acelerar o andamento das obras.

“As rodovias são federais, mas quem transita por elas são os catarinenses. O governo tem que estar presente, parceiro das ações que realmente vão amenizar o sofrimento das pessoas, trazer mais segurança, oportunidades, renda e desenvolvimento”, disse o governador Carlos Moisés na semana passada.

Para a BR-280, a intenção é investir R$ 50 milhões. Os recursos serão aplicados para acelerar as obras no trecho entre o trevo do Bairro ltinga, em Joinville, até São Francisco do Sul. A rodovia integra um eixo rodoviário estratégico.

A falta de uma infraestrutura adequada na rodovia dificulta a atração de investimentos, a competitividade das empresas, a geração de novos empregos e a segurança dos que trafegam. Dados da Polícia Rodoviária Federal mostram que em 2020, na BR-280, foram registradas 41 mortes em acidentes. Neste ano, até o mês de julho já são 19.

 

Foto: Fabio Junkes