O mercado editorial brasileiro terminou a primeira metade de 2021 em situação muito melhor do no mesmo período do ano passado. As informações são do Painel do Varejo de Livros no Brasil, feito pela Nielsen e divulgado pelo Sindicato Nacional de Editores de Livros (Snel) nesta quarta-feira (11), revelando uma alta de 48,5% nas vendas.

Até o dia 18 de julho, o país fechou a venda de 28 milhões de livros, contra 18,9 milhões no ano passado. O faturamento, por sua vez, passou de R$ 846,2 milhões para R$ 1,19 bilhão este ano, aumento de 39,9%.

Somente com base no 7º período da pesquisa, composto pelas semanas entre 21 de junho a 18 de julho, na comparação com o mesmo período do ano passado (15 de junho a 12 de julho de 2020), o volume comercializados cresceu 59,3% - 4,7 milhões contra 2,95 milhões.

Esta é a melhor marca do ano. Em termos de faturamento, o aumento foi de 58,4%: de R$117,08 em 2020 para R$185,52 milhões em 2021.

Segundo o painel, o Amazon Prime Day. no fim de junho. teria impulsionado o bom desempenho do setor no mês.