A análise de contrato e uma pesquisa de preços realizadas pelos vereadores do NOVO de Jaraguá do Sul, Rodrigo Livramento e Sirley Schappo, indicaram a possibilidade de uma economia anual de até R$ 220 mil com a TV Câmara, com uma aplicação mais certeira dos recursos públicos.

Conforme o edital 07/2019, atualmente a Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul contrata uma empresa para locação de todos os equipamentos usados para a transmissão online das sessões e demais serviços, como reportagens e gravações de eventos.

O trabalho dos funcionários também é contratado pela mesma empresa terceirizada. O custo total da TV Câmara por ano é de aproximadamente R$ 291 mil, segundo documentos disponibilizados pela própria Casa.

Um parecer foi entregue pelos vereadores do NOVO ao presidente Onésimo Sell nesta terça-feira (9) e sugere algumas alterações no contrato, que deve ser reavaliado ou renovado em abril deste ano.

“Sugerimos a aquisição dos equipamentos, e não mais a locação; a realização da licitação por pregão eletrônico e não presencial, para que mais empresas possam concorrer; e renovação total do sistema, usando câmeras mais modernas e robotizadas, que trariam a curto prazo muito mais economia para a Casa”, explica a vereadora Sirley.

Câmeras robóticas

Uma das propostas apresentadas no parecer é a mudança para câmeras robóticas de teto, como já é feito nas Câmaras de Joinville e Florianópolis, por exemplo.

Esse sistema pode reduzir custos com mão de obra, pois não seria mais necessário a contratação de dois operadores. Um seria o suficiente.

Conforme valor de mercado, a aquisição do sistema de operação automatizado e o serviço prestado por um editor de vídeo custaria em torno de R$ 195 mil por ano.

O que traria uma economia de aproximadamente R$ 96 mil no primeiro ano, e de até R$ 220 mil a partir do segundo ano – pois só se contaria o custo da mão de obra do operador, e não mais a aquisição dos equipamentos.

Aluguel de equipamentos

A Câmara de Jaraguá gasta por ano o valor de R$ 175.293,49 somente com a locação de equipamentos como câmeras, monitores, microfones, ilha de edição, iluminação e outros.

Através de pesquisa de preços, se avaliou que é muito mais vantajosa a aquisição de todos os equipamentos (com as mesmas especificações descritas no edital).

A economia no primeiro ano chegaria a R$ 70.815,62, caso se optasse em comprar o que hoje é locado.

A Câmara, pelo contrato atual, tem despesas comaluguel de cartões de memória. A locação de seis cartões de 16GB SDHC tem custo mensal de R$ 429,92. Por ano, são gastos R$ 5.159,04.

Se fosse realizada a compra, estimando um custo de mercado de R$ 50 por unidade, seriam gastos por ano o valor de R$ 300 por seis cartões, gerando uma economia de R$ 4.859,04.

“O cartão de memória é apenas um dos exemplos, mas que deixa claro que algo está errado e que é possível avaliar melhor a contratação do serviço e, assim, fazer uma gestão mais eficiente dos recursos públicos”, complementa o vereador Rodrigo Livramento.