Em entrevista à Rádio Gaúcha, o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) voltou a criticar o gerenciamento da pandemia pelo governo do qual faz parte. Segundo o militar, o governo errou ao suspender o auxílio emergencial, ausente nos três primeiros meses do ano.

"A curva da economia, a curva social, que foi a questão das linhas de crédito abertas, do auxílio emergencial que foi pago, ele deveria ter sido prolongado. Tínhamos que ter entendido que a pandemia iria prosseguir, que não iria terminar em 31 de dezembro do ano passado para que a gente conseguisse manter essas duas curvas na situação mais favorável possível", declarou.

No ano passado, foram cinco parcelas de R$ 600 e quatro de R$ 300. Este ano, a nova rodada que começou a ser paga este mês conta com valores muito inferiores: R$ 150 a R$ 375, dependendo do perfil do beneficiário.

Em março, Mourão afirmou que o governo federal errou ao não fazer uma "campanha de conscientização" em "nível federal" desde o início da pandemia de Covid-19.

Em entrevista ao canal "My News", Mourão disse avaliar que a comunicação do governo tem sido "claudicante" desde o início do mandato.

“Acho que isso foi uma falha nossa aqui do governo, que a gente podia ter trabalhado melhor [...] Eu julgo que nós deveríamos ter desde o começo tido uma campanha em nível federal, uma vez que as medidas locais pertencem aos gestores, e isso é inconteste, mas uma campanha séria de conscientização da população”, declarou o vice-presidente.

Embora tenha criticado as políticas do governo quanto à pandemia, Mourão novamente se recusou a criticar o exemplo dado pelo Presidente, afirmando que não faria críticas públicas ao comportamento de Jair Bolsonaro (Sem Partido), por considerá-las "deslealdade". Estas críticas, diz Mourão, se houverem, serão feitas intramuros