SC registra movimentação de US$ 6,2 bi no comércio internacional do 1° bimestre

Divulgação/Porto de Itapoá

Por: Pedro Leal

16/03/2023 - 10:03 - Atualizada em: 16/03/2023 - 11:57

Os primeiros meses de 2023 foram marcados por recorde na economia catarinense. No acumulado de janeiro e fevereiro, foram comercializados US$ 6,2 bilhões em produtos importados e exportados. Segundo dados analisados pelo Observatório Fiesc, as vendas de bens de capital, por exemplo, atingiram o maior nível desde 1997, com alta de 32,4% em relação ao mesmo período de 2022.

No acumulado dos dois meses, o principal comprador de Santa Catarina passou a ser os Estados Unidos (15%), que vêm diversificando seus parceiros comerciais. Na sequência, aparecem a China (13,7%) e a Argentina (7,2%).

“Esse montante no comércio internacional é reflexo da forte atuação da indústria de Santa Catarina e de sua competitividade, que eleva a participação em mercados com altos níveis de eficiência produtiva e de capacidade tecnológica”, afirma o presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar.

A exportação de bens de capital corresponde a produtos como máquinas e equipamentos para a fabricação de outros produtos, que, no período analisado, somaram US$ 195,1 milhões vendidos pelo estado.

Na pauta exportadora, há destaque também para os embarques de aparelhos mecânicos e de motores para os Estado Unidos, bens de consumo, como carnes de aves e suínas para os países asiáticos, além de caldeiras a vapor para a Colômbia e transformadores e painéis para comando elétrico para parceiros do Mercosul.

Importações

Os principais produtos importados por Santa Catarina nos dois primeiros meses do ano foram o cobre refinado (3,2%), revestimentos de ferros laminados planos (2,9%) e semicondutores (2,5%).

Dentre os insumos para a indústria, destacam-se os pneus de borracha, vindos da China e do Vietnã, e de partes e acessórios para veículos, fabricados na Coreia do Sul e nos Estados Unidos.

O estado também segue ampliando as compras de veículos do México e da Alemanha. A China se mantém como a principal fornecedora internacional do estado, com 40,1% das compras no início de 2023, e os EUA assumiram a segunda posição (7,8%), superando o Chile (5,7%).

Notícias no celular

Whatsapp

Pedro Leal

Analista de mercado e mestre em jornalismo (universidades de Swansea, País de Gales, e Aarhus, Dinamarca).