A nova tarifa do gás natural foi apresentada nesta terça-feira, 17, durante uma coletiva de imprensa que contou com a presença do governador Raimundo Colombo, do vice Eduardo Pinho Moreira e do presidente da SCGás, Cósme Polêse. A nova tarifa de gás natural em Santa Catarina, após a redução média de 23,95% em todos os segmentos, entrou em vigor no dia 1º de janeiro deste ano. O estado, que já tinha o menor preço do Brasil, amplia vantagem até mesmo sobre tarifas subsidiadas de outras regiões. A redução foi consequência da resolução nº 74 da Agência Reguladora dos Serviços Públicos de Santa Catarina, que autorizou a atualização do custo do gás no período de 11 de agosto de 2015 a 30 de novembro de 2016, quando houve queda no preço da cesta de óleos internacional. As reduções médias em vigor são de 24,8% no segmento industrial, 15,45% no segmento comercial, 11,62% no segmento residencial e de -0,3029 R$/m³, equivalente a 24,98% na tarifa de fornecimento de gás para aos mais de 130 postos que comercializam o gás natural veicular (GNV) nas diversas regiões catarinenses. “Acreditamos que essa redução irá beneficiar muito a competitividade das indústrias e muitas outras atividades econômicas do estado, principalmente por estarmos passando por um período de crise que Santa Catarina tem enfrentado de forma exemplar”, destacou o governador Raimundo Colombo. Com a resolução, 60 cidades e mais de cem mil consumidores catarinenses serão beneficiadas, entre eles mais de 91 mil usuários de GNV, dez mil unidades residenciais, centenas de estabelecimentos comerciais e mais de 230 indústrias catarinenses que geram 85 mil empregos diretos. Vantagens do gás natural A utilização do gás natural traz inúmeras vantagens para as indústrias, sobretudo financeiras. Durante o processo industrial, tanto a etapa de operação quanto a de manutenção têm seus custos reduzidos porque o insumo dispensa o gasto de energia com preaquecimento para queima, prolonga a vida útil dos equipamentos da indústria e não precisa ser estocado, o que diminui também os custos de seguro devido ao estoque de combustível inflamável. Fonte: Governo de Santa Catarina