Santa Catarina conta com três das seis cidades mais caras para se comprar um imóvel, segundo dados divulgados nesta terça-feira (6), pelo índice FipeZap.

As cidades são Balneário Camboriú, em quarto lugar, com preço médio de R$ 8.116 por m², Florianópolis, em quinto com média de R$ 7.900 por m², e Itapema, em sexto, com R$ 7,772 por m².

O Brasil teve alta de 0,57% no preço dos imóveis no mês de junho. O número representa a maior valorização mensal registrada desde agosto de 2014.

Em Florianópolis, capital de Santa Catarina, a alta nominal no primeiro semestre de 2021 foi de 6,52%.

Com o resultado do mês passado, o índice fechou o primeiro semestre de 2021 com valorização de 2,17%, variação inferior à inflação de 3,82% esperada para o período.

Caso o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) seja confirmado, o preço dos imóveis residenciais terá sofrido uma queda real na casa dos 1,58%.

As movimentações fazem o valor médio do metro quadrado disponível para venda no Brasil saltar para R$ 7.655 - ou seja, um apartamento padrão, com 65 m² e até dois dormitórios custa, em média, R$ 497.575.

Na análise de todos os 50 municípios que integram o FipeZap, o Rio de Janeiro (RJ) permanece como o local mais caro para se comprar um imóvel, com o preço do metro quadrado na casa dos R$ 9.545. Os preços na capital fluminense acumulam valorização de 1,05% no primeiro semestre e de 2,29% nos últimos 12 meses.