Não foi dessa vez: o pedido de registro de companhia aberta pela Havan foi indeferido, segundo publicou a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) nesta segunda-feira (23). A decisão interrompeu pela segunda vez os plano da rede de Luciano Hang de fazer a sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).

A Havan informa que a desistência do pedido de registro pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) ocorreu de maneira voluntária por parte da Companhia. Tal decisão foi informada formalmente a CVM em 12 de maio de 2021, tão logo, a publicação do indeferimento nesta segunda-feira, 23, resulta da decisão já tomada pelo grupo.

Hang planejava vender uma fatia da companhia para buscar recursos para abrir centros de distribuição e lojas, além de investir em tecnologia e reforçar o capital de giro.

Em outubro passado, ele desistiu de levar adiante a operação porque investidores não aceitaram avaliar a companhia em cerca de R$ 100 bilhões, como pretendia o empresário.

Na segunda tentativa, o pedido de registro de companhia aberta não foi acompanhado de uma solicitação para realizar uma oferta de ações, o que indicava que a Havan preferia esperar o melhor momento do mercado para a operação.

Somente este ano, quase 60 empresas desistiram dos planos de listagem na B3, ante a um ciclo precoce de aumento de juros nos Estados Unidos e uma possível nova onda de Covid-19, que tem causado uma forte volatilidade das ações.

Dentre as 32 que conseguiram estrear na bolsa paulista, a maioria teve que aceitar vender suas ações no piso da faixa estimada de valor pretendido, ou até abaixo dele. Muitas viram suas ações caírem ainda mais desde a estreia.