O mercado de trabalho formal segue aquecido na Região Carbonífera. Na soma dos 12 municípios, entre janeiro e maio foram adicionados 6.054 empregos com carteira assinada, 1.580 postos a mais do que o acumulado nos 12 meses de 2020.

Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged), divulgados nesta quinta-feira, 1º, pelo Ministério da Economia.

“Acompanhamos atentamente os números do Caged porque estão entre os principais indicadores da economia. O aumento no número de empregos gerados confirma a recuperação em diferentes setores e mantém o otimismo de um bom desempenho econômico ao longo do ano. Hoje, a Acic possui em seu Banco de Talentos mais de 800 vagas de trabalho disponíveis”, considera o presidente da Associação Empresarial de Criciúma (Acic), Moacir Dagostin.

Nos cinco primeiros meses deste ano, houve 35.728 contratações na região, contra 29.674 demissões, resultando no saldo de 6.054. Sob o peso das restrições às atividades econômicas decorrentes da pandemia de coronavírus, os 12 municípios contabilizaram a perda de 2.745 postos de trabalho formais no mesmo período do ano passado.

No entanto, a retomada no segundo semestre permitiu que a Região Carbonífera fechasse 2020 com 4.474 empregos adicionados.

Criciúma lidera a geração de empregos

Maior município da região, Criciúma lidera a geração de empregos este ano, com 2.751 novas vagas abertas entre janeiro e maio, sendo 1.640 no setor de serviços, 822 na indústria e 443 no comércio.

Na sequência, vem Içara, com 937 contratações a mais que desligamentos no período. Com 403 postos criados, Morro da Fumaça é o terceiro maior gerador de empregos na região.

As outras nove cidades também mantêm saldo positivo no acumulado do ano: Forquilhinha, 364; Nova Veneza,320; Urussanga, 295; Siderópolis, 279; Orleans, 223; Cocal do Sul, 220; Balneário Rincão, 133; Lauro Müller, 87; e Treviso, 42.

Em maio, foram adicionados 670 empregos, levando a Região Carbonífera a um contingente de 144.231 trabalhadores com registro em carteira, o equivalente a 32,59% da população estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Entre os três estados do Sul, Santa Catarina lidera o saldo de empregos com 111.357 no acumulado do ano.