Recursos federais para financiar neoindustrialização chegam a R$ 60 bi

Foto: José Luiz Somensi

Por: Pedro Leal

19/10/2023 - 15:10 - Atualizada em: 19/10/2023 - 15:38

Nos próximos quatro anos, mais de R$ 60 bilhões estarão disponíveis para o setor industrial investir em inovação, seja por meio de crédito junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) ou da Financiadora de Estudos e Projetos – FINEP.

Os valores foram destacados por José Luis Gordon, diretor de Desenvolvimento Produtivo, Comércio Exterior e Inovação do BNDES, que participou nesta quinta-feira (19) de painel no Fórum RADAR Reinvenção. O evento é promovido pela Academia Fiescde Negócios e tem como tema central a neoindustrialização.

A inovação é uma linha estratégica e o setor industrial é fundamental, de acordo com Gordon. “Nos próximos quatro anos, serão mais de R$ 60 bilhões para a agenda de inovação, seja por meio de crédito ou não reembolsáveis por meio da FINEP. É a maior agenda de recursos já disponibilizada para o setor empresarial. Estamos oferecendo uma linha diferenciada de taxa de juros, que deve ficar em média em 4% nominal, ou seja, mais barata para inovação no setor industrial”, informou.

Manufatura está se convertendo em “mentefatura”

Na abertura do Fórum RADAR Reinvenção, o economista e diplomata Marcos Troyjo salientou que um dos fatores que vai moldar muito a capacidade de neoindustrialização é o capital humano, que se tornou o mais importante fator de produção.

“A manufatura está se convertendo em ‘mentefatura’. Estamos fazendo uma transição entre aquilo que é feito pelas mãos para aquilo que é feito com a mente – a mentefatura”, explicou. Para Troyjo, a neoindustrialização é a neoprodutividade. “É como vamos agregar valor e abrir mercado para que possamos, numa economia do século 21, gerar empregos de qualidade, retorno aos acionistas e elevar o percentual da manufatura no PIB brasileiro”, completou, salientando que, um dos fatores que vai moldar muito a capacidade de neoindustrialização é o capital humano, que se tornou o mais importante fator de produção.

O presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar, observou que, ao longo dos anos, o Brasil foi perdendo a participação da indústria na produção de riquezas. “A palavra hoje é neoindustrializar, ou seja, é uma nova forma de produzir, com mais sustentabilidade, com empresas mais internacionalizadas, com agregação de tecnologias e também com um novo posicionamento de mercado”, afirmou, destacando que, Santa Catarina sempre teve na indústria o seu grande vetor de desenvolvimento.

“E precisa estar inserida nesse novo conceito. A nossa indústria precisa estar atenta às demandas mundiais e o Fórum vai ajudá-las a se preparar para os desafios e as oportunidades que se apresentam”, declarou.

Revolução verde será extraordinária para o Brasil, diz Tomazoni, da JBS

A revolução industrial foi fantástica para os Estados Unidos, mas a revolução verde será extraordinária para o Brasil”, afirmou o CEO Global da JBS S.A, Gilberto Tomazoni. Em sua participação no Fórum RADAR, ele apresentou o plano da empresa para se tornar Net Zero até 2040 (zerar o balanço das emissões de gases causadores do efeito estufa). “O Brasil pode produzir muito mais nas mesmas áreas, sequestrando carbono e vendendo crédito de carbono para o mundo inteiro”, disse.

Tomazoni disse, ainda, que a JBS vê na sustentabilidade uma forma de tornar a empresa mais competitiva. “Não enxergamos que, com os investimentos em sustentabilidade, temos que vender produtos mais caros. Se subir o preço porque é mais sustentável, vamos reduzir o acesso da população aos alimentos”, declarou.