A produção industrial catarinense de janeiro a maio cresceu 26,7% na comparação com o mesmo período do ano passado. A alta nesse período se deve à base de comparação que registrou queda significativa na produção na fase inicial da pandemia em 2020. Os dados são do IBGE e foram analisados pelo Observatório Fiesc.

A análise da Fiesc mostra que após atingir ápice em janeiro, a atividade produtiva entrou em um ciclo de queda nos últimos meses, que pode ser explicada por um conjunto de fatores. O agravamento da pandemia com medidas de restrições, somadas ao fim do auxílio emergencial, morosidade na vacinação, dificuldade de acesso na compra de insumos e a inflação impactaram significativamente a produção industrial até o mês de abril.

No entanto, a estabilização em maio em Santa Catarina, bem como a expansão na atividade nacional, pode ser um indicativo de melhora no nível de atividade industrial para os próximos meses, avalia o Observatório Fiesc. Esse cenário é sustentado pelo avanço na vacinação ocorrida entre maio e junho no país, bem como a retomada do auxílio emergencial para a manutenção da renda das famílias e do consumo. Além disso, a flexibilização das medidas de distanciamento deve impulsionar o setor de serviços, assim como o consumo de bens, que por sua vez estimulam a produção da indústria de transformação.