O diretor do Departamento de Novas Outorgas e Políticas Regulatórias Portuárias do Governo Federal, Fábio Teixeira, tem se reunido com o setor empresarial para discutir o processo de concessão dos portos. “Donos de cargas não querem saber se o porto é púbico ou privado, mas se é eficiente”, afirmou.

Os portos que devem entrar no processo de concessão são de São Francisco do Sul, Imbituba e Laguna. Para o governo, a ideia é de que a concessão torne os portos menos burocráticos, para que se tornem um ambiente de negócios, o que aumentará a sua competitividade.

Sobre o tópico, a Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc) tem se posicionado desde a edição da primeira Agenda Estratégica para o Transporte e a Logística Catarinense de forma bastante favorável à gestão privada dos portos e a concessão principalmente das operações.

Segundo a entidade, as autoridades portuárias devem adotar modelo de administração autônoma, com governança corporativa, gerida por técnicos responsáveis pelos resultados e desempenho.

A entidade defende a concessão dos portos de São Francisco, de Imbituba e de Itajaí, que está em um estágio bastante do processo de privatização. O posicionamento da Fiesc foi repassado pelo vice-presidente da entidade para o Vale do Itapocu, Célio Bayer.

Além disso, a aposta é no desenvolvimento econômico e social com geração de emprego e renda, aceleração dos investimentos e prestação de serviços adequados com elevação dos padrões de eficiência.