Até o dia 30 deste mês, os brasileiros devem receber o pagamento da primeira parcela do 13º salário. De acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o salário extra será responsável por injetar R$ 8,4 bilhões na economia de Santa Catarina neste fim de ano. Em todo território nacional, o valor ultrapassa os R$ 200,5 bilhões. Segundo a Fecomércio-SC (Federação do Comércio de Santa Catarina), 30% dos catarinenses vão utilizar o 13º salário para o pagamento de dívidas e 25% para as compras. No país, Associação Comercial de São Paulo indica que depois de quitar as contas pendentes, o brasileiro pretende poupar o valor. Pouco mais de 17% ainda não decidiu o que fazer com o dinheiro e 8,6% vão aplicá-lo na compra de presentes de Natal. A segunda metade do pagamento deve ser realizada até o dia 20 de dezembro. A Prefeitura de Jaraguá do Sul irá pagar os servidores nesta data. Em julho, 2.147 funcionários receberam a primeira parcela do salário extra, somando cerca de R$ 4,6 milhões. Além de pagar a segunda parcela para aos que optaram pelo adiantamento, outros 1,7 mil servidores terão o valor integral depositado em dezembro. No total, a administração pública irá gastar em torno de R$ 8,3 milhões com o 13º salário. De acordo com o vice-prefeito e secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Udo Wagner, o pagamento extra é um incremento de recurso importante para a movimentação da economia nos variados setores, como indústria, comércio e prestação de serviços. “Com a distribuição dos valores as empresas vendem mais, a geração de renda aumenta e os estabelecimentos precisam de mão de obra maior”, acrescenta Wagner. RECURSO EXTRA DEVE SER USADO PARA QUITAR DÍVIDAS, ORIENTA ESPECIALISTA Com o valor extra na conta, é comum ficar em dúvida sobre qual a melhor maneira de aproveitá-lo sem deixar nenhuma conta para trás e também reservar uma parte para as festas ou viagens de fim de ano, por exemplo. Para a coordenadora do curso de Ciências Contábeis da Católica de Santa Catarina, Juliane Candido Albrecht, a melhor alternativa é usar o valor para pagar as dívidas. Quem não tem débitos deve antecipar o pagamento de contas dos próximos meses ou guardar para as cobranças de impostos ou despesas de começo de ano, destaca Juliane, como matrículas e materiais escolares. “Pagar com adiantamento pode até render descontos”, comenta. Outra dica da profissional é gastar com consciência o salário para não acumular dívidas no mês de janeiro, principalmente para quem também receberá o pagamento das férias. “Muita gente gasta o dinheiro todo em um mês e não pensa no futuro, precisando até pegar empréstimo em janeiro, por exemplo”, destaca Juliane. Deixar passar o período de compras de fim de ano para aproveitar as promoções também é uma orientação da contadora. “Conversar com o gerente do banco, pedir auxílio e verificar quais são as melhores opções de investimento é melhor do que aplicar na poupança, que já não é tão rentável”, finaliza a especialista.