A primeira cerveja produzida com ingredientes 100% catarinenses já está no mercado: o rótulo da Toda Nossa foi apresentado ao governador Carlos Moisés nesta quarta-feira (18).

A cerveja foi desenvolvida por meio de uma parceria entre a Secretaria de Estado da Agricultura, a Epagri, a Udesc, as cervejarias Ambev e Lohn Bier, a Prefeitura de Lages e a Associação Brasileira de Produtores de Lúpulo (Aprolúpulo). O líquido contém malte de cevada, leveduras e lúpulo produzidos em Santa Catarina.

O principal desafio é o desenvolvimento da produção de lúpulo, que ainda se encontra em estágio embrionário no Brasil. Uma Fazenda Modelo foi instalada em Lages, na Serra Catarinense, para estimular o plantio. O governador Carlos Moisés enalteceu o projeto. Segundo ele, Santa Catarina já possui uma cultura enraizada de produção cervejeira, e a primeira cerveja 100% catarinense ajudará a alavancar toda uma cadeia econômica.

“É um projeto muito interessante, que contou com o apoio do Governo do Estado desde o princípio. A produção do lúpulo pode trazer uma cultura mais humanizada para o campo e uma boa fonte de renda para os produtores”, ressaltou o governador.

O secretário de Estado da Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Rural, Altair Silva, destacou que a Fazenda Modelo de Lages ajudará a expandir o plantio do lúpulo na Serra. A região possui clima favorável para esta cultura. Hoje, praticamente 100% do lúpulo usado na fabricação de cervejas no Brasil é importado.

A Ambev possui um viveiro de lúpulo em Lages com capacidade de produção de 60 mil mudas por ano, que são doadas a agricultores familiares da região. O projeto da Fazenda de Lúpulo Santa Catarina conta ainda com uma lavoura experimental de 1 hectare, destinada a testes de manejo. A empresa planeja uma unidade de beneficiamento da planta e uma planta piloto para o processamento de lúpulo, onde as plantas fornecidas pelos produtores serão beneficiadas e transformadas em pellets prontos para uso.

Consultor de projetos especiais da Ambev, Felipe Sommer explicou que a produção ainda é tímida em Santa Catarina, concentrada em pequenos agricultores da região serrana, mas o estado tem um grande potencial para produção, tanto de lúpulo quanto de cevada, que poderiam ser utilizadas nas cervejarias nacionais. Por isso, o interesse em incentivar o plantio na região serrana. "Esse não é um projeto só da Ambev. Nós não queremos produzir lúpulo, nós queremos incentivar os produtores da região e os agricultores familiares. É um projeto institucional que pode levar ao desenvolvimento de uma nova cultura no Brasil", destacou.

A Cervejaria Ambev pretende incentivar também o cultivo de cevada em Santa Catarina. Hoje, a empresa fornece a semente e possui contratos de venda garantida para o produtor. A área plantada, no entanto, ainda é menor do que o necessário para abastecer a fábrica. A intenção é criar um campo experimental para a produção do cereal, da mesma forma que foi feita com o lúpulo.

Segundo o consultor Felipe Sommer, a Ambev absorveria a produção equivalente a 20 mil hectares de cevada plantados em Santa Catarina. Atualmente, a área cultivada no estado é de 492 hectares, concentrados na região de Campos Novos e Joaçaba.

Além de abastecer a indústria, a cevada pode ser utilizada para alimentação animal.

A Secretaria da Agricultura está investindo R$ 5 milhões no Projeto de Incentivo ao Plantio de Cereais de Inverno Destinados à Produção de Grãos. Os produtores receberão uma subvenção de R$ 250,00 por hectare efetivamente plantado com cereais de inverno, em um limite de 10 hectares por agricultor.